Rússia-2019: Pérez alcança um bom 7º lugar em Sochi

Pérez supera Verstappen e Hulkenberg: início forte ajudou no bom resultado

Pérez supera Verstappen e Hulkenberg: início forte ajudou no bom resultado em Sochi

Por Denise Vilche*
Colaboradora

Sergio Pérez e a Racing Point estiveram em plena sintonia no GP da Rússia de 2019, realizado no dia 29 de setembro, em Sochi. Uma ótima largada e um bom gerenciamento de corrida foram os ingredientes que fizeram o mexicano sair do 11º lugar no grid para alcançar a sétima colocação na etapa russa. Ganhar quatro colocações poderia significar  pouco. Entretanto, foi um grande avanço para Checo, que não havia pontuado em 10 das 16 corridas disputadas até então no Mundial. Pérez chegava à Rússia em 14º no campeonato, com 27 pontos, enquanto Lance Stroll, seu companheiro de Racing Point, figurava em 15º, com 19. Em Sochi, a meta de Sergio era avançar na classificação contra pilotos como Lando Norris (McLaren) e Kimi Raikkonen (Alfa Romeo), que estavam empatados com 31 pontos.

No primeiro treino livre no circuito russo, Pérez chegou a sair da pista, mas fez o nono tempo, com 1m36s321. Checo terminou à frente de Stroll, o 14º na sessão. A liderança do treino ficou com Charles Leclerc (Ferrari), com 1m34s462. O aparente domínio da Ferrari acabou logo no segundo treino livre: Max Verstappen (Red Bull) foi o mais veloz, com 1m33s162. Leclerc, com 1m33s497, acabou em segundo. Valtteri Bottas (Mercedes), Lewis Hamilton (Mercedes) e Sebastian Vettel (Ferrari) completaram o top 5. Já Perez melhorou sua posição em relação ao primeiro treino e terminou a sessão com o
sétimo tempo, com 1m34s998. O latino ficou duas posições à frente de Stroll, nono com 1m35s176.

Checo não teve um bom rendimento no sábado: 12º tempo e eliminação no Q2 da prova russa

Checo não teve um bom rendimento no sábado: 12º tempo e eliminação no Q2 da prova russa

Se a Racing Point vinha mostrando um bom desempenho na sexta, o mesmo não aconteceu no sábado. Tanto Sergio quanto Lance passaram para o Q2 em Sochi. Porém, ambos não avançaram para a sessão decisiva do qualifying. Stroll foi apenas o
15º. Já Pérez, com 1m33s958, garantiu um tímido 12º lugar. Checo aceitou a culpa pelo
erro que o levou a ficar de fora do Q3. “Deveríamos estar no Q3, mas, ao entrar na
curva 7, acertei a zebra com mais força do que deveria e perdi algum tempo lá. Foi por
muito, muito pouco e é uma pena, mas estou muito otimista para amanhã (domingo). Temos um carro rápido e acho que temos uma boa oportunidade de marcar pontos”, disse o mexicano após a classificação.

A pole position do GP da Rússia de 2019 ficou com Leclerc. Foi a sexta do monegasco na temporada. Charles anotou 1m31s628, quase meio segundo mais veloz do que Hamilton, que, com o tempo de 1m32s030, assegurou o segundo lugar. Vettel, Verstappen, Bottas e Carlos Sainz Jr. (McLaren) completaram os seis primeiros lugares do grid de Sochi.

Largada do GP da Rússia de 2019, em Sochi: Pérez ganhou quatro posições na volta 1

Largada do GP da Rússia de 2019, em Sochi: Pérez ganhou quatro posições na volta 1

A corrida

Um domingo ensolarado em Sochi emoldurou a disputa do GP da Rússia, em Sochi. Em 11º no grid devido à punição dada a Pierre Gasly (Toro Rosso), Sergio Pérez (Racing Point) sabia que largar bem seria fundamental para suas pretensões de pontuar na etapa russa. Com esse espírito, o mexicano partiu com tudo assim que as luzes vermelhas foram apagadas. Checo teve uma largada brilhante, ultrapassando Romain Grosjean (Haas), Daniel Ricciardo (Renault) Max Verstappen (Red Bull) e Nico Hulkenberg (Renault). Assim, completou a volta 1 em sétimo. Na frente, Sebastian Vettel (Ferrari) tomou a liderança do pole Charles Leclerc (Ferrari), enquanto Lewis Hamilton (Mercedes) era atacado por Carlos Sainz Jr. (McLaren), mas sustentou a terceira posição.

Os pilotos nem tiveram a chance de completar a primeira volta, pois o safety car foi acionado após um acidente que envolveu Grosjean, Ricciardo e Antonio Giovinazzi (Alfa Romeo). A corrida recomeçou na volta 4, com Pérez sendo pressionado por Verstappen. Quatro voltas depois, o holandês da Red Bull tomou a sétima posição do mexicano da Racing Point. Depois de cair para oitavo, Checo passou a ser ameaçado por
Hulkenberg. A pressão do alemão da Renault surtiu efeito na volta 14, quando derrubou Sergio para a nona posição. O latino recuperaria o oitavo lugar na volta 17, quando Hulk fez sua primeira parada nos boxes.

Mexicano parou nos boxes na volta 24 e retornou à pista atrás da dupla da McLaren

Mexicano parou nos boxes na volta 24 e retornou à pista atrás da dupla da McLaren

Pérez parou na volta 24, retornando à pista em 13º, atrás de Sainz e Lando Norris (McLaren). Enquanto isso, na disputa pela liderança, a expectativa era para ver como a Ferrari resolveria o problema com seus dois pilotos. A ideia era Leclerc ajudar Vettel com o vácuo na largada. Porém, Charles deveria seguir em primeiro, com Seb em segundo. O alemão acabou se aproveitando da vantagem e ultrapassou o monegasco, abrindo mais de 3 segundos de vantagem, mesmo tendo recebido a ordem da equipe na quarta volta para deixar seu companheiro passar. O primeiro a fazer sua parada foi Leclerc, na volta 22, voltando em quarto. Na 26, foi a vez de Vettel fazer sua parada. O alemão voltou atrás do monegasco, mas um problema no motor fez Seb abandonar a prova duas voltas depois, provocando um safety car virtual.

Com essa intervenção, os demais pilotos aproveitaram para fazer suas paradas. Quem acabou sendo beneficiado com o VSC foi Hamilton, que parou nos boxes e conseguiu se
manter na frente, seguido de Leclerc e Valtteri Bottas (Mercedes). O safety car virtual virou um safety car efetivo quando George Russell (Williams) teve que abandonar com um problema no carro. Leclerc se aproveitou do SC para fazer um novo pit stop, calçando pneus mais novos com o objetivo de alcançar os carros da Mercedes. Assim, Hamilton
se mantinha na liderança, seguido de Bottas, Leclerc, Verstappen, Sainz, Kevin Magnussen (Haas), Norris e Pérez, que ascendia para a oitava colocação.

Pérez ultrapassou Magnussen e assegurou a sétima colocação no GP da Rússia

Pérez ultrapassou Magnussen e assegurou a sétima colocação no GP da Rússia

Na relargada, na volta 33, Alexander Albon (Red Bull), que estava em 10º, conseguiu ultrapassar Stroll e Pérez, assumindo o oitavo lugar. Na 35, Checo recuperou a oitava posição ao superar Norris. Nove voltas depois, o mexicano ultrapassou Magnussen e
assumiu a sétima colocação. A partir dali, Sergio não tinha mais como avançar na classificação, apenas administrava o top 7. Na frente dele, somente Hamilton, Bottas, Leclerc, Verstappen, Sainz e Albon.

No fim, a vitória do GP da Rússia de 2019 ficou com Hamilton. Foi o 82º triunfo do britânico na F1. Bottas terminou em segundo, e Leclerc completou o pódio. Com uma boa vantagem para Magnussen, Pérez conquistou o sétimo lugar, repetindo o bom resultado que teve no GP da Itália, em Monza.

Com o top 7 de Sochi, Pérez alcançou o 12º lugar do Mundial, com 33 pontos

Com o top 7 de Sochi, Pérez alcançou o 12º lugar do Mundial, com 33 pontos

“Eu estou muito satisfeito em como nós maximizamos o resultado. Eu acredito que essa foi uma das minhas melhores corridas. Ótima largada, ótimo gerenciamento durante os stints, sabendo quando brigar e quando não e isso fez uma enorme diferença. Nós fomos simplesmente perfeitos”, declarou o mexicano após a corrida, que o fez subir para o 12º lugar no Mundial, com 33 pontos – empatado com Daniil Kvyat (Toro Rosso). Hamilton ampliou sua liderança, com 322 pontos, seguido de Bottas, com 249, e Leclerc, com 215.

* Sobre Denise Vilche: “Formada em jornalismo, vi a oportunidade perfeita de unir minha formação com a minha paixão pela F1. Conhecida por meus colegas como ‘a que gosta de corridas’, escrevi sobre automobilismo durante três anos para o extinto site ‘Canal da Velocidade’”.
Instagram: @denisevilche
Twitter: @DeniseVilche
Facebook: Denise Vilche
E-mail: denisevilche@gmail.com

(Texto com supervisão do Contos da Fórmula 1)

Sobre contosdaf1

Desde 1981, um amante de automobilismo. E veio desde o registro, quando no cartório seu pai foi questionado se queria colocar o nome "Willians" no garoto. "Esse é o nome de uma escuderia. Pode dar problema para ele no futuro", disse a escrivã. Hoje em dia, a equipe Williams voltou a se destacar, enquanto o menino segue o destino. Jornalista, nascido em Santos, cobriu os GPs do Brasil de 2005 a 2009 em Interlagos pelo jornal A Tribuna. Acompanha a Fórmula 1 religiosamente desde 1986. Pretende fazer isso até seus últimos dias. Afinal, o faz desde o primeiro.
Esta entrada foi publicada em Alfa Romeo, Antonio Giovinazzi, Carlos Sainz Jr., Daniel Ricciardo, Daniil Kvyat, George Russell, Haas, Kevin Magnussen, Kimi Raikkonen, Lance Stroll, Lando Norris, McLaren, Nico Hulkenberg, Pierre Gasly, Racing Point, Rússia, Renault, Romain Grosjean, Sergio Pérez, Sochi, Toro Rosso, Williams. ligação permanente.

2 respostas a Rússia-2019: Pérez alcança um bom 7º lugar em Sochi

  1. MARCELO ROBERTO SILVA RIGONI diz:

    Ñ tem mais pg no Instagram?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s