Brasil-2006: um filme com final feliz em Interlagos

Felipe Massa celebra efusivamente a vitória no GP do Brasil de 2006, em Interlagos

Felipe Massa celebra efusivamente a vitória no GP do Brasil de 2006, em Interlagos

Sabe aquele filme com roteiro cujo final é feliz para todos os personagens? O GP do Brasil de 2006, em Interlagos, reuniu três atores marcantes, que tinham missões distintas para a etapa do circuito paulistano. Felipe Massa (Ferrari) encarava o desafio de vencer em casa e quebrar o jejum de 13 anos sem vitórias de um piloto do País – o último havia sido Ayrton Senna, em 1993. Fernando Alonso (Renault) lutava para anotar um mísero ponto e assegurar o bicampeonato mundial. E Michael Schumacher (Ferrari) fazia sua despedida da Ferrari com uma improvável meta: levantar o oitavo título da Fórmula 1.

A história dos três acabava se entrelaçando em Interlagos. Tudo porque Alonso e Schumacher disputavam ponto a ponto o título mundial de 2006. Porém, no GP do Japão – prova anterior ao GP do Brasil –, o motor Ferrari deixou o alemão na mão, e o espanhol partiu para a vitória em Suzuka. O triunfo colocou o asturiano com 10 pontos de vantagem sobre o germânico. Bastava um oitavo lugar em Interlagos para Fernando assegurar o bi, independentemente da posição de Michael.

Os holofotes em Interlagos estavam voltados ao duelo entre Alonso e Schumacher pelo título mundial: duelo de titãs

Os holofotes em Interlagos estavam voltados para Alonso e Schumacher: duelo de titãs

Mas, se Alonso não pontuasse, Schumacher poderia alcançar o oitavo título mundial. E aí o fator Massa entraria em ação. Será que Felipe tiraria Fernando da corrida para favorecer Michael, seu companheiro na Ferrari? “Não sou um piloto sujo. Nunca faria o papel de botar o Alonso para fora da pista. Isso não faz parte da minha escola, da minha pessoa. Agora, se ele estiver na minha frente, vou para cima, para tentar ganhar a posição. Não tenha dúvida disso”, afirmou o brasileiro em evento da Bridgestone, dias antes da última corrida daquele Mundial.

Felipe tinha um plano traçado em mente: fazer o seu melhor, sem se pressionar pela vitória em Interlagos. “Tenho a expectativa de fazer uma boa corrida, mas estou mais relaxado. Acho que a minha primeira vitória (no GP da Turquia, em Istambul) mudou muita coisa. E acho até bom essa expectativa toda criada em cima do Schumacher e do Alonso. Melhor para mim”.

Massa se colocou à disposição de Schumacher para ajudá-lo na disputa pelo título: 

Massa se colocou à disposição de Schumacher para ajudá-lo na disputa pelo título mundial

Dependendo do cenário da prova – ou seja, possibilidade de título para o alemão –, Massa poderia abdicar da vitória em Interlagos para favorecer Michael. “Vou fazer o que puder para largar na frente e, quando a corrida começar, vou com tudo. E aí vemos o que vai acontecer no final. Tudo vai depender dos nossos concorrentes. Se o Alonso não estiver na zona de pontuação, vou para a vitória. Caso contrário, vou ajudar o Schumacher”.

Nos treinos, a Ferrari revelou um amplo favoritismo em Interlagos. Schumacher e Massa ditavam o ritmo nas sessões livres e entraram no qualifying de sábado como principais candidatos à primeira fila do GP do Brasil. Porém, logo na primeira volta da fase decisiva do qualifying, o alemão sofreu com problemas na pressão de combustível em sua Ferrari. Assim, Michael não anotou tempo, sendo obrigado a largar em 10º.

Felipe se aproveitou do problema de Schumacher e assegurou a pole em Interlagos

Felipe se aproveitou do problema de Schumacher para assegurar a pole em Interlagos

Sem Schumacher, o caminho ficou livre para Massa fazer a pole. Com um macacão em verde e amarelo, Felipe foi o único a andar na casa de 1m10s – fez 1m10s680. Quando anotou seu tempo, a torcida brasileira entoou: “olê, olê, olê, olá… Massa, Massa!”. Felipe foi para junto do ‘pit wall’ para celebrar a pole em casa. “Subi no muro e vivi algo que eu nunca tinha vivido. É um dos dias mais felizes da minha vida. Nunca vou esquecer. Comecei a correr em Interlagos e nunca imaginei estar aqui, numa pole, com um F1”.

Para se ter uma ideia da superioridade do brasileiro da Ferrari, o segundo colocado no qualifying, Kimi Raikkonen (McLaren), fez 1m11s299, ficando 0s619 atrás do brasileiro. Alonso sairia em quarto, seis posições à frente de Schumacher. Se a missão do octa já era dificílima, se tornou quase impossível para Michael após a frustração de sábado.

Clima de despedida: antes da largada em Interlagos, Schumacher recebeu um troféu das mãos de Pelé

Clima de despedida: antes da largada em Interlagos, Schumacher recebeu um troféu das mãos de Pelé

A corrida

O clima era de festa em Interlagos naquele domingo, 22 de outubro de 2006. As homenagens para Schumacher emocionavam e contagiavam o ‘circo’ da Fórmula 1. Minutos antes da largada do GP do Brasil, Michael foi presenteado com um troféu, dado por Edson Arantes do Nascimento, o Pelé. Era mais um histórico encontro do Rei do Futebol com o Imperador da Fórmula 1 – aliás, dois monarcas reverenciados pelo mundo inteiro.

Apesar das honrarias, o foco do alemão era um só: fazer o possível para surpreender a todos e deixar o circuito paulistano com a coroa da categoria máxima do automobilismo. Para isso, dependeria do insucesso de Alonso, que estava determinado a assegurar o bicampeonato a todo custo.

Largada do GP do Brasil de 2006: Massa saltou bem e manteve a ponta

Largada em Interlagos: Massa manteve a ponta, Alonso seguiu em 4º e Schumacher subiu para 6º

E Massa? Ao alinhar sua Ferrari na posição de honra de Interlagos, o brasileiro parecia estar preparado para o que estava por vir. Quando as luzes vermelhas se apagaram dando início ao GP do Brasil, Felipe partiu decidido a entrar no S do Senna na liderança. E foi isso que fez: não deu brecha para Raikkonen, mantendo a ponta. Alonso seguia em quarto, e Schumacher figurava em oitavo. Depois, o alemão da Ferrari superou Ralf Schumacher (Toyota) e Rubens Barrichello (Honda), subindo para sexto.

Na volta 2, um acidente com Nico Rosberg (Williams) na Curva do Café provocou a entrada do safety car. Na relargada, dada na volta 6, Massa se segurou na frente. Alonso continuou em quarto. Já Schumacher seguia em sexto. Entre o alemão da Ferrari e o espanhol da Renault, estava Giancarlo Fisichella (Renault). O italiano lutou com todas as forças para impedir o avanço de Michael para cima de Fernando. Mas na volta 9, veio a manobra de Schumacher. Por fora, o germânico contornou o S do Senna à frente de Fisichella. Contudo, um pequeno toque do pneu traseiro esquerdo na asa da Renault de Giancarlo mudou o rumo da corrida.

Schumacher tenta passar Fisichella, mas tem pneu furado: momento decisivo do Mundial

Schumacher tenta passar Fisichella, mas tem pneu furado: momento decisivo do Mundial

Um furo de pneu. Um furo de pneu que freou a reação de Schumacher e deu fim à disputa do título. Um furo de pneu que tranquilizou Alonso. Um furo de pneu que praticamente sacramentava a vitória de Massa em Interlagos. Felipe perdeu a liderança para Alonso apenas por duas voltas no seu primeiro pit stop – voltas 24 e 25. No segundo, parou e voltou na liderança. Foi um domínio absoluto do brasileiro da Ferrari em Interlagos, que liderou 69 das 71 voltas da corrida.

No fim, veio a recompensa: uma retumbante vitória, a primeira de um brasileiro em 13 anos. Repetiu os gestos de Senna, erguendo a bandeira brasileira no cockpit e tomando banho de champanhe no pódio. “Devo ser mesmo uma pessoa iluminada. É inacreditável ver as pessoas aqui em Interlagos com bandeiras, gritando por você. É difícil explicar. Nunca imaginei estar aqui. E nunca vou esquecer este dia. Mesmo que muitas outras vitórias e até títulos venham, esse dia vai ser sempre muito especial. Senti uma força muito grande aqui”, disse Felipe, visivelmente emocionado.

Massa e a bandeira brasileira: depois de 13 anos, um piloto do país voltava a vencer em Interlagos

Massa e a bandeira brasileira: depois de 13 anos, um piloto do país voltava a vencer em Interlagos

Já Alonso “correu com o regulamento embaixo do braço”. Cauteloso, o espanhol se manteve entre os primeiros durante todo o GP do Brasil. Ao saber do incidente com Schumacher, sua situação ficou ainda mais tranquila. Bastava levar a Renault até a bandeira quadriculada para ver o bi assegurado. E foi o que fez: segundo lugar convincente para um justo bicampeão.

Se o espanhol “jogou com o regulamento”, Schumacher correu para a posteridade. De último, pulverizou o recorde de Interlagos em algumas oportunidades. Ultrapassou Robert Kubica (BMW Sauber) e Rubens Barrichello (Honda) com propriedade. Depois, levou Fisichella a cometer um erro. No final, superou Raikkonen com categoria, para assegurar um impressionante quarto lugar – entre o alemão da Ferrari e o espanhol da Renault, estava Jenson Button (Honda), terceiro colocado após largar na 14ª posição.

Massa, entre o bicampeão Alonso, 2º colocado, e Button, o 3º

Massa, entre o bicampeão Alonso, 2º colocado, e Button, o 3º: pódio festivo no GP do Brasil

Schumacher não foi ao pódio. Mas não precisava. Ele simplesmente foi Schumacher. E assim Schumacher saiu de cena. Mas saiu de cena da Ferrari: três anos após sua retirada, Michael retornou à F1, desta vez pela Mercedes. Ficou três anos no time prateado, entre 2010 e 2012, mas longe de ser o vencedor que havia sido em sua primeira passagem pela categoria.

Sabe aquele filme com roteiro cujo final é feliz para todos os personagens? O GP do Brasil de 2006 terminou feliz para Massa, Alonso e Schumacher. Houve festa pela vitória de Felipe, pelo título de Fernando e pela trajetória de Michael. Um final apoteótico de uma temporada marcante. Uma corrida para a história da Fórmula 1.

Schumacher deu show no adeus, que acabou sendo um até breve - alemão defenderia a Mercedes entre 2010 e 2012

Schumacher deu show no “até breve”: Mercedes fez alemão reconsiderar a aposentadoria

Sobre contosdaf1

Desde 1981, um amante de automobilismo. E veio desde o registro, quando no cartório seu pai foi questionado se queria colocar o nome "Willians" no garoto. "Esse é o nome de uma escuderia. Pode dar problema para ele no futuro", disse a escrivã. Hoje em dia, a equipe Williams voltou a se destacar, enquanto o menino segue o destino. Jornalista, nascido em Santos, cobriu os GPs do Brasil de 2005 a 2009 em Interlagos pelo jornal A Tribuna. Acompanha a Fórmula 1 religiosamente desde 1986. Pretende fazer isso até seus últimos dias. Afinal, o faz desde o primeiro.
Esta entrada foi publicada em BMW, Brasil, Felipe Massa, Fernando Alonso, Ferrari, Giancarlo Fisichella, Honda, Interlagos, Jenson Button, Kimi Raikkonen, McLaren, Michael Schumacher, Pelé, Ralf Schumacher, Renault, Robert Kubica, Rubens Barrichello, Toyota. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s