Bahrein-2019: os primeiros pontos do promissor Lando Norris

Em seu segundo GP, Lando Norris (McLaren) alcançou o sexto lugar no GP do Bahrein de 2019, em Sakhir

Em sua segunda corrida, Lando Norris (McLaren) alcançou o 6º lugar no GP do Bahrein de 2019

Lando Norris chegou à Fórmula 1 cercado de expectativas. Campeão por onde passou, o britânico ingressou na McLaren com a pompa de menino prodígio. E ele não decepcionou. Logo em sua segunda corrida na categoria máxima do automobilismo, o inglês levou o MCL34 a um ótimo sexto lugar no GP do Bahrein de 2019, em Sakhir. Foram os primeiros pontos da carreira de Lando, que se tornou o 340º piloto a pontuar na F1. Foi um resultado além do esperado. Com arrojo, velocidade e competência, Norris só ficou atrás das duplas de Mercedes, Ferrari e Max Verstappen (Red Bull). Não só isso: no fim, o jovem segurou com maestria o campeão de 2007, Kimi Raikkonen (Alfa Romeo), de 39 anos, fazendo com que a conquista dos oito pontos na prova barenita fosse ainda mais saborosa.

Com o resultado de Sakhir, o piloto da McLaren entrou no livro dos recordes da Fórmula 1. Lando se tornou o piloto britânico mais jovem a pontuar na categoria, com 19 anos, 4 meses e 18 dias, batendo o recorde que pertencia a Jenson Button (que, com 20 anos, 2 meses e 7 dias, pontuou no GP do Brasil de 2000, em Interlagos). Além disso, passou a ser o terceiro piloto mais jovem a pontuar na F1, estando atrás somente de Max Verstappen (que, com 17 anos, 5 meses e 29 dias, anotou pontos no GP da Malásia de 2015, em Sepang) e de Lance Stroll (que, com 18 anos, 7 meses e 13 dias, pontuou no GP do Canadá de 2017, em Montreal). São marcas para ninguém colocar defeito. Tudo em apenas sua segunda apresentação, o que vem a comprovar que a precocidade será para sempre uma marca na trajetória de Norris.

Lando foi campeão por onde passou: trajetória vencedora culminou no ingresso na F1

Lando foi campeão por onde passou: trajetória vencedora culminou no ingresso na F1

Nascido em Bristol (Inglaterra) em 13 de novembro de 1999, Lando tinha um ídolo na infância: Valentino Rossi, o multicampeão da motovelocidade. Seu foco estava na competição de motos. Porém, um episódio mudou a meta do pequeno britânico: o pai, Adam, levou ele e seu irmão para acompanhar uma prova de kart em sua cidade natal. Foi o que bastou para Lando pedir ao pai para também competir na categoria. Assim, aos 7 anos, começava a paixão arrebatadora pelo automobilismo. Por onde passou, Norris brilhou. No kart, se sagrou campeão mundial em 2013. No ano seguinte, foi o melhor estreante da Copa Ginetta Júnior, uma categoria de carros esportivos que fazia parte da programação do BTCC – o campeonato britânico de turismo.

Quanto mais Lando ascendia na carreira, mais aumentava a sede de conquistas. Em 2015, ele foi campeão da Fórmula MSA em 2015. Em 2016, levantou o título da Toyota Racing Series e da Fórmula Renault 2.0 em duas séries (Eurocup e Copa da Europa do Norte). Foi a partir daí que os olhos da Fórmula 1 passaram a mirar Norris. Em 2017, a McLaren anunciou o piloto como membro do time de desenvolvimento da escuderia. O contrato era nos moldes do feito com Lewis Hamilton. O objetivo do time de Woking, portanto, era o mesmo: formar um campeão tal como foi feito com Hamilton. Já sob a tutela da McLaren, Norris disputou em 2017 o Campeonato Europeu de Fórmula 3. Foi um estrondoso sucesso. O britânico conquistou o título em Hockenheim, credenciando-se para o último passo antes da F1: a Fórmula 2.

Norris (à dir.) e Carlos Sainz Jr. substituíram Fernando Alonso e Stoffel Vandoorne na McLaren

Norris (à dir.) e Carlos Sainz Jr. substituíram Fernando Alonso e Stoffel Vandoorne na McLaren

Em 2018, Lando se dividiu entre a função de piloto de testes da McLaren e a disputa da F2. Pela Carlin, o britânico chegou a liderar o campeonato, mas acabou sendo superado pelo compatriota George Russell. No fim, foi o vice-campeão da temporada, mas o seu destino já estava traçado: com a retirada de Fernando Alonso e a dispensa de Stoffel Vandoorne, a McLaren recrutou Norris para a disputa do Mundial de 2019, tendo ao seu lado o espanhol Carlos Sainz Jr.. Diferentemente do que ocorreu com Hamilton em 2007 (quando disputou o título mundial logo no ano de estreia), Lando chegava a uma McLaren com inúmeras incertezas e poucos resultados. O MCL33 de 2018 era um carro nada confiável, o que desestimulou Alonso a prosseguir na F1. Para 2019, a promessa era de evolução com o MCL34. Porém, os resultados na pré-temporada não foram animadores.

Norris estreou na F1 no GP da Austrália de 2019, em Melbourne. Foi um fim de semana com altos e baixos: o britânico conseguiu avançar para o Q3 da etapa australiana, conquistando um bom oitavo lugar no grid. Na corrida, porém, as coisas não funcionaram como nos treinos, e Lando terminou num tímido 12º lugar. Para Sakhir, palco do GP do Bahrein de 2019, segunda prova do Mundial, o jovem inglês queria comprovar que o MCL34 era competitivo suficiente para encarar as equipes do meio do pelotão – leia-se Haas, Renault, Alfa Romeo e Racing Point. E foi com esse espírito que Norris e Carlos Sainz Jr. iniciaram os treinos livres para a corrida barenita.

Lando teve uma sexta proveitosa: oitavo mais veloz do dia em Sakhir

Lando teve uma sexta proveitosa: oitavo mais veloz do dia em Sakhir

Na sexta, primeiro dia de testes em Sakhir, Lando surpreendeu positivamente, sendo o oitavo mais veloz do dia, com 1m30s017. Norris foi 0s185 mais veloz do que Sainz, 11º com 1m30s192. Por outro lado, o britânico foi 1s171 mais lento do que Sebastian Vettel (Ferrari), o mais rápido da sexta com 1m28s846. Todas as marcas do dia foram obtidas na sessão noturna – com a temperatura da pista mais baixa, os pilotos puderam melhorar os tempos no segundo treino livre. O inglês da McLaren ficou satisfeito com a performance do MCL34 na pista barenita.

“Ainda há coisas para melhorar, mas tem sido um começo decente para o fim de semana. Eu me sinto mais confiante porque conheço um pouco mais o procedimento das coisas. Acho que o primeiro treino livre foi razoavelmente bom: passamos por tudo o que precisávamos e tive um bom pressentimento pela pista. A temperatura da pista no segundo treino diminuiu muito, significando que o carro parecia bem diferente e, obviamente, os tempos de volta eram muito mais rápidos. Terminamos essa sessão com um pequeno problema que não me permitiu fazer tantas voltas quanto eu queria, mas ainda assim fiz stins com o tanque cheio de combustível e também com pouca gasolina. Por isso, tenho uma boa sensação para a corrida”, avaliou Lando.

Tanto Norris quanto Sainz Jr. avançaram para o Q3 de Sakhir: espanhol levou a melhor sobre o inglês

Tanto Norris quanto Sainz Jr. avançaram para o Q3 de Sakhir: espanhol levou a melhor sobre o inglês

No sábado, a McLaren voltou a apresentar uma convincente performance em Sakhir. Tanto Norris quanto Sainz estavam com desempenho semelhante ao dos adversários de Renault e Haas. No Q1, Lando levou um susto quando Romain Grosjean (Haas) fez um ‘break test’ logo à sua frente.  Mas isso não tirou a concentração do jovem britânico, que seguiu acelerando no circuito barenita. Ao fim do Q2, tanto ele quanto Carlos avançaram para a fase decisiva da qualificação. No fim, o espanhol alcançou um bom sétimo lugar, com o tempo de 1m28s813. Já o inglês foi o 10º, com 1m29s043, ficando a 0s230 de Sainz e a 1s177 de Charles Leclerc (Ferrari), pole do GP do Bahrein de 2019 ao anotar 1m27s866. Foi a primeira pole de Leclerc na F1, e a primeira de um monegasco na categoria.

Após a sessão, Grosjean, oitavo colocado no Q3 de Sakhir, foi penalizado com a perda de três posições do grid da corrida barenita em razão da fechada em Norris. Com isso, Lando subiu para nono lugar na posição de largada. O jovem britânico da McLaren celebrou o desempenho na qualificação. “No geral, achei muito bom. Meus stints estavam fortes, embora eu tenha cometido alguns erros. Não sinto que fiz um trabalho tão bom quanto na Austrália. Eu conheço mais a pista aqui e não é tão técnica, mas é mais fácil cometer pequenos erros. Eu tive uma pequena travada na curva 10 – não chegou a ser um bloqueio de roda, mas perdi um pouco de tempo. Poderia estar ao lado de Carlos e estava perto. Eu acho que ele estava apenas um décimo à frente, então estou razoavelmente feliz”, avaliou.

Largada do GP do Bahrein de 2019, em Sakhir: Norris enfrentou problemas e perdeu posições na 1ª volta

Largada do GP do Bahrein de 2019: Norris enfrentou problemas e perdeu posições na 1ª volta

A corrida

Domingo, 31 de março de 2019. O anoitecer em Sakhir avisava que a hora da largada do GP do Bahrein se aproximava. Na nona posição do grid e calçando pneus macios, Lando Norris (McLaren) estava determinado a fazer um bom início de prova. Contudo, o jovem inglês não contava com a acirrada disputa nas primeiras curvas da corrida. Assim que as luzes vermelhas se apagaram, o britânico da McLaren saltou de forma hesitante, caindo para 10º. Depois, acabou escapando da pista, o que o fez despencar para a 14ª posição ao fim da volta 1. A partir daí, Norris dava início a uma excelente recuperação, provando a excelente forma do MCL34 na pista barenita. Na volta 2, superou Alexander Albon (Toro Rosso) no final da reta dos boxes, subindo para 13º. Enquanto isso, Carlos Sainz Jr. (McLaren) atacava Max Verstappen (Red Bull) no duelo pelo quinto lugar. O espanhol tentou ultrapassar o holandês por fora na volta 4. Max vendeu caro o espaço, e Carlos acabou levando a pior. O toque foi inevitável, e Sainz despencou no pelotão.

Com o companheiro indo para os boxes, Lando assumiu a 12ª posição. Ao mesmo tempo, o britânico da McLaren seguia na cola de Pierre Gasly (Red Bull). Na volta 7, veio o grande momento de Norris em Sakhir: o jovem inglês pegou o vácuo do carro do francês e, de forma ousada, usou a zebra externa para fazer uma inesperada ultrapassagem. Assim, ele assumia a 11ª colocação. Na passagem seguinte, Lando contou com o pit stop de Sergio Pérez (Racing Point) para retornar ao top 10. Na 9, foi a vez do britânico superar Kevin Magnussen (Haas), ascendendo para a nona colocação. O ritmo da McLaren era ótimo, mas os compostos macios davam sinais de desgaste. Assim, o time de Woking chamou Norris para os boxes na volta 10. Na troca, colocaram pneus médios. Ao retornar para a pista, Lando se viu em 13º.

Com o MCL34 apresentando excelente forma, Lando recuperou posições em Sakhir

Com o MCL34 apresentando excelente forma, Lando recuperou posições em Sakhir

Na volta 11, com a parada de George Russell (Williams) e a rodada de Daniil Kvyat (Toro Rosso) – que se envolveu em um incidente com Antonio Giovinazzi (Alfa Romeo) -, o britânico da McLaren subiu para 11º. Na volta 14, Norris ultrapassou Pérez e assumiu a 10ª colocação. Após o pit stop de Giovinazzi, na volta 16, Lando ascendeu para a nona posição. Naquele momento, o jovem inglês estava a 2s1 de Nico Hulkenberg (Renault), o oitavo, e colocava 3s6 de vantagem sobre Pérez, o 10º. Na volta 21, Hulkenberg passou Kimi Raikkonen (Alfa Romeo). O ritmo do finlandês caiu drasticamente, e Norris passou a se aproximar do campeão de 2007.  Com o pit stop de Daniel Ricciardo (Renault) na volta 24, o jovem da McLaren subiu para oitavo. Não só isso: pressionava Raikkonen pelo sétimo lugar. Na volta 26, Lando ultrapassou Kimi na freada da primeira curva, alcançando a sétima colocação.

O ritmo de Norris era excelente. Na volta 30, o britânico estava a 3s5 de Hulkenberg. Por outro lado, tinha 3s3 de vantagem sobre Raikkonen. Entretanto, a vida útil dos pneus médios já estava em seu final. Lando precisava esticar ao máximo sua presença na pista para se manter na briga pelos pontos. Na volta 35, o inglês foi aos boxes para a sua segunda e definitiva parada. Na troca, a McLaren sacou os pneus médios e colocou um novo jogo de compostos macios. Dessa maneira, Norris estava liberado para andar no limite. O jovem piloto retornou à pista em nono.

Norris, à frente de Vettel: alemão levou a pior no duelo com Hamilton e ficou atrás de Lando

Norris, à frente de Vettel: alemão levou a pior no duelo com Hamilton e ficou atrás de Lando

Na volta 38, Sebastian Vettel (Ferrari) duelava com Lewis Hamilton pelo segundo lugar em Sakhir. O alemão tentou segurar o inglês, mas rodou no afã da disputa. Depois, viu seu spoiler ser engolido pelo carro, fazendo com que se criasse um inusitado ‘show pirotécnico’ na Reta Oposta. Com o infortúnio do ferrarista – que foi para os boxes -, Norris assumiu a oitava colocação. Após o pit stop de Gasly, na volta 40, Lando ascendeu para a sétima posição. Mas ali ficou por pouco tempo: em prova de recuperação, Vettel superou o novato da McLaren, que retornou para o oitavo lugar. Na volta 42, formou-se um pelotão liderado por Hulkenberg, o quinto. Atrás do alemão da Renault, vinham Vettel, Ricciardo, Norris e Raikkonen. A vantagem entre cada um girava na casa de 1s.

Naquele momento, quem tivesse um equipamento confiável levaria vantagem na disputa. E o MCL34 estava numa forma esplêndida em Sakhir. Na volta 43, Vettel ultrapassou Hulkenberg, assumiu o quinto lugar e sumiu à frente do piloto da Renault. Dessa forma, a verdadeira batalha era pela conquista da sexta posição. Hulk viu em seu retrovisor a perda de rendimento do companheiro Ricciardo. O australiano acabou sendo superado por Norris na volta 44 e por Raikkonen na 45. Assim, Nico, Lando e Kimi lutariam pelo lugar no top 6. Hulkeberg se destacava, colocando vantagem sobre Norris. O britânico, por sua vez, sofria para segurar Raikkonen. Na volta 50, o alemão da Renault tinha 3s de vantagem sobre o inglês da McLaren, que, por sua vez, colocava 1s sobre o finlandês da Alfa Romeo. Naquele instante, Norris havia desistido de lutar pela sexta posição. O foco do britânico era segurar Raikkonen e garantir a sétima colocação.

Com o abandono de Hulkenberg, Norris herdou o sexto lugar: 340º piloto a pontuar na história da F1

Com o abandono de Hulkenberg, Norris herdou o sexto lugar: 340º piloto a pontuar na história da F1

Porém, na volta 53, o inesperado aconteceu: os dois carros da Renault abandonaram no mesmo instante. Tanto Hulkenberg quanto Ricciardo estavam fora do GP do Bahrein. Assim, Lando assumia o sexto lugar. Para retirar os bólidos franceses, a direção de prova acionou o safety car. Como faltavam apenas três voltas para a bandeirada, a entrada do carro de segurança assegurava o top 6 para o inglês da McLaren. A vitória em Sakhir ficou com Lewis Hamilton (Mercedes). Foi a 74ª conquista do britânico, a primeira em 2019. Essa veio com uma boa dose de sorte: Charles Leclerc (Ferrari), que liderava a corrida com contundência, enfrentou problemas em sua unidade de potência. Seu carro perdeu rendimento, fazendo com que Hamilton e Valtteri Bottas (Mercedes) o ultrapassassem sem dificuldades. Ainda assim, Leclerc ficou em terceiro. Foi o primeiro pódio de Charles, e o primeiro top 3 de um monegasco desde o GP de Mônaco de 1950, com Louis Chiron.

Além de Norris, outro piloto anotou seus primeiros pontos na F1: Alexander Albon (Toro Rosso) terminou em nono no GP do Bahrein. Foram os dois primeiros pontos de Albon na categoria, e os primeiros da Tailândia em 65 anos – a última vez de um tailandês na zona de pontuação ocorreu com Príncipe Bira, quarto no GP da França de 1954, em Reims. Após a bandeirada, o clima era de festa na McLaren. Afinal, o novato do time havia acabado de fazer história vestindo as cores laranja e azul. “Estou muito feliz e satisfeito por ter marcado meus primeiros pontos, mas também pela McLaren, depois de todo o trabalho duro da equipe durante o inverno. Eu tive um bom começo, mas a escapada de pista ainda na primeira volta me fez perder algumas posições. O ritmo depois disso foi muito forte. Eu alcancei muito rapidamente o pelotão. Eu talvez tenha lutado um pouco para administrar minha posição no final, mas consegui ficar à frente de Kimi”, celebrou Lando, uma promessa que apresentou suas credenciais em Sakhir.

Fazendo história: em Sakhir-2019, Lando se tornou o britânico mais jovem a pontuar na F1

Fazendo história: em Sakhir-2019, Lando se tornou o britânico mais jovem a pontuar na F1

Anúncios

Sobre contosdaf1

Desde 1981, um amante de automobilismo. E veio desde o registro, quando no cartório seu pai foi questionado se queria colocar o nome "Willians" no garoto. "Esse é o nome de uma escuderia. Pode dar problema para ele no futuro", disse a escrivã. Hoje em dia, a equipe Williams voltou a se destacar, enquanto o menino segue o destino. Jornalista, nascido em Santos, cobriu os GPs do Brasil de 2005 a 2009 em Interlagos pelo jornal A Tribuna. Acompanha a Fórmula 1 religiosamente desde 1986. Pretende fazer isso até seus últimos dias. Afinal, o faz desde o primeiro.
Esta entrada foi publicada em Alexander Albon, Alfa Romeo, Antonio Giovinazzi, Bahrein, Carlos Sainz Jr., Daniel Ricciardo, Daniil Kvyat, George Russell, Haas, Kevin Magnussen, Kimi Raikkonen, Lando Norris, McLaren, Nico Hulkenberg, Racing Point, Renault, Romain Grosjean, Sakhir, Sergio Pérez, Toro Rosso, Williams. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s