Itália-2017: Esteban Ocon, o ‘melhor do resto’ em Monza

Ocon lutou com Raikkonen pelo quinto lugar, mas teve que se consolar com o top 6

Ocon lutou com Raikkonen pelo quinto lugar, mas teve que se contentar com a 6ª posição em Monza

Depois do catastrófico resultado no GP da Bélgica de 2017, em Spa-Francorchamps, quando Esteban Ocon e Sergio Pérez só faltaram chegar às vias de fato, a Force India buscava a paz entre seus pilotos na disputa do GP da Itália, em Monza. Quatro dias após a conturbada prova belga, na quinta-feira (31 de agosto), o francês e o mexicano selaram um ‘pacto de não-agressão’ durante a coletiva de imprensa promovida pela FIA no circuito italiano. Nos treinos em Monza, a diferença entre Ocon e Pérez sempre foi mínima. Entretanto, no qualifying de sábado, uma chuva torrencial atrapalhou as ações na pista. Checo se viu prejudicado e parou no Q2, enquanto Esteban avançou para o Q3. Não só isso: com um desempenho brilhante, Ocon assinalou o quinto melhor tempo dos treinos oficiais. Como os pilotos da Red Bull, Daniel Ricciardo e Max Verstappen, teriam que pagar punições no grid, o francês alinharia na terceira posição do grid. Na corrida, Ocon saltou bem e chegou a andar em segundo. Todavia, perdeu espaço para os pilotos de Mercedes, Ferrari e Red Bull. Ainda assim, alcançou um ótimo sexto lugar.

O top 6 em Monza foi um alento após o terrível fim de semana em Spa. Esteban aliou velocidade com regularidade em território italiano, mostrando não só sua capacidade, mas também uma alta força mental, que o colocou à frente de Pérez, nono no GP da Itália. Após o pacto com Pérez, o francês passou a focar apenas e tão somente em acelerar seu VJM10. O objetivo era bater o mexicano e mostrar que sua confiança era inabalável. Logo na sexta-feira, dia dos primeiros treinos livres na pista italiana, Ocon foi o nono mais veloz do dia, com 1m22s977. Esteban ficou a 1s517 de Valtteri Bottas (Mercedes), que anotou o melhor tempo da sexta, com 1m21s406. O francês foi 0s375 mais rápido do que Pérez, 14º com 1m23s352.

Quatro dias após o embate de Spa, Ocon e Pérez tentaram manter a paz em evento promocional em Monza

Quatro dias após o embate de Spa, Ocon e Pérez andaram lado a lado em evento promocional

Após os treinos de sexta, o francês da Force India se mostrou satisfeito com o desempenho da equipe. “Foi um dia sólido de testes. Nós experimentamos muitas coisas diferentes e acho que chegamos com alguns dados muito bons no final da sexta. Estou muito feliz com a forma como as coisas aconteceram e o trabalho que realizamos – teremos de fazer o mesmo amanhã (sábado) no treino final antes da classificação. Houve muita evolução da pista à medida que o dia prosseguia: a reta principal, em particular, foi recapeada e o treino de largada ficou um pouco escorregadio. Começou a chover em certo momento, mas não durou muito, de modo que realmente não influenciou o nosso dia”, afirmou Ocon.

Se na sexta, a chuva não atrapalhou os treinos, no sábado, ela imperou em Monza. Tanto o treino livre da manhã como a sessão qualificatória à tarde ocorreram com a presença da água. Sob uma incessante chuva, a FIA deu início ao Q1. Logo nos primeiros minutos, Romain Grosjean (Haas) aquaplanou em plena reta dos boxes e sofreu um acidente. O francês esbravejou contra a direção de prova, que, prontamente, agitou a bandeira vermelha. Foram seguidos adiamentos para o reinício da sessão. O treino recomeçou quase 2 horas depois. Ainda com pista molhada, Ocon e Pérez conseguiram avançar para o Q2. Na segunda etapa do treino, Esteban demonstrou habilidade e passou entre os primeiros. Já Sergio parou em 11º, com 1m37s582.

Com a forte chuva em Monza, prevaleceu o talento de Ocon: quinto no treino, terceiro no grid

Com a forte chuva em Monza, prevaleceu o talento de Ocon: quinto no treino, terceiro no grid

Com o passar do tempo, a pista foi melhorando, e o francês da Force India atuava de forma exuberante. No fim, apontou com um impressionante quinto lugar, com 1m37s719. Ocon só ficou atrás de Lance Stroll (Williams), a sensação do sábado, com o quarto lugar, Daniel Ricciardo (Red Bull), Max Verstappen (Red Bull) e Lewis Hamilton (Mercedes), pole com 1m35s554. Pela 69ª vez, Hamilton alcançava a posição de honra na carreira, tornando-se líder isolado no ranking de pole position na história da Fórmula 1, deixando Michael Schumacher para trás – o alemão largou 68 vezes na pole. Se Lewis tinha a celebrar, Esteban também era só alegria: como Verstappen e Ricciardo perderiam 20 posições no grid por trocar elementos de seus carros, o francês sairia em terceiro no GP da Itália, atrás somente de Hamilton e Stroll.

Assim, Ocon alcançava a melhor posição de grid de sua carreira até o momento. “Uma ótima classificação. Estou realmente feliz por todos na equipe. Sabíamos que era uma oportunidade para nós, fiquei muito satisfeito por aproveitá-la. Sempre gostei de pilotar no molhado, e as condições estavam desafiadoras. O carro estava ótimo, com um excelente equilíbrio. Tenho de agradecer a equipe pelo trabalho duro. Precisaremos lutar arduamente amanhã (domingo) porque há carros velozes ao nosso redor, mas acredito que podemos marcar um bom número de pontos e terei o pódio como meta”, avaliou.

Largada do GP da Itália de 2017: Ocon saltou bem, superou Stroll e ficou atrás apenas de Hamilton

Largada do GP da Itália de 2017: Ocon saltou bem, superou Stroll e ficou atrás apenas de Hamilton

A corrida

A chuva que colocou Ocon entre as surpresas do grid de Monza foi embora no domingo, dia do GP da Itália. Um belo sol se fez presente na região do autódromo. Com o clima seco, a esperança de pódio de Esteban se tornaria uma missão quase impossível. Porém, o jovem francês não queria se entregar. Pelo contrário: ele queria curtir o momento. Logo após o apagar das luzes vermelhas, Ocon largou bem. Logo nos primeiros metros, se impôs diante de Lance Stroll (Williams) e assumiu o segundo lugar. À frente dele, apenas Lewis Hamilton (Mercedes). Entretanto, com o melhor carro do grid, o britânico disparou na liderança. A partir daí, Esteban precisava encarar a realidade. E ela não seria nada agradável para o francês.

Na volta 3, Ocon começou a ser perseguido por Valtteri Bottas (Mercedes). Após largar em quarto, o finlandês superou Stroll e passou a pressionar o francês. Foi questão de segundos: logo na passagem seguinte, Bottas superou Esteban, que caiu para terceiro. A partir da volta 5, Ocon se viu à frente de Sebastian Vettel (Ferrari). Diante dos tifosi, o alemão não estava afim de decepcionar seus fãs: na volta 8, Seb ultrapassou o francês, que caiu para quarto. Após tentar segurar (em vão) Bottas e Vettel, Esteban desgastou os pneus supermacios de seu VJM10. Assim, passou a ser pressionado por Stroll, Kimi Raikkonen (Ferrari) e Felipe Massa (Williams). Contudo, o jovem canadense não conseguia superar Ocon.

Nas primeiras voltas, Esteban andou à frente de Ferrari e Mercedes: cenário momentâneo

Nas primeiras voltas, Esteban andou à frente de Ferrari e Mercedes: cenário momentâneo

Com os pneus deteriorados, os pilotos e as equipes passaram a colocar em prática a estratégia de boxes. Todos os ponteiros partiram para uma única parada. Na volta 15, Raikkonen antecipou seu pit stop, a fim de ganhar as posições de Ocon e Stroll. Ao ver o movimento da Ferrari, a Force India chamou Esteban na passagem seguinte. Na troca, o time indiano sacou os compostos supermacios e colocou os macios. No retorno à pista, o francês estava em 10º, ainda à frente de Kimi. Com a parada de Stroll, na 17, Ocon subiu para nono. Após o pit stop de Daniil Kvyat (Toro Rosso), na 18, Esteban assumiu o oitavo posto. Na volta 21, Ocon e Raikkonen se aproximaram de Stoffel Vandoorne (McLaren). Após uma manobra arriscada na Curva Grande, o francês superou o belga e alcançou o sétimo lugar. Kimi fez o mesmo e assumiu a oitava posição.

Depois do pit stop de Massa, na 22, Ocon subiu para sexto, e Raikkonen, para sétimo. Naquele momento, a pressão de Kimi sobre Esteban era intensa. Apesar de lutar a todo custo, o francês não resistiu ao melhor equipamento do finlandês: na volta 26, Raikkonen ultrapassou Ocon, que caiu para sétimo. À frente de Esteban, estavam Sergio Pérez (Force India) e Daniel Ricciardo (Red Bull), que iniciaram a corrida com pneus macios e estenderam seus stints ao máximo. Na volta 33, Pérez foi aos boxes, fazendo com que o francês reassumisse o sexto lugar. Na 38, foi a vez de Ricciardo realizar sua única parada. O australiano, porém, saiu do pit stop à frente de Ocon. Assim, o sexto lugar era a posição de fato para Esteban.

Ocon resistiu por algumas voltas, mas perdeu quinto lugar para Raikkonen: francês andou no limite do VJM10

Ocon resistiu por voltas, mas perdeu 5º lugar para Raikkonen: francês andou no limite do VJM10

Além de perder contato com os cinco primeiros colocados, Ocon tinha a companhia de Stroll, Massa e Pérez (que voltou em nono, com pneus novos). Apesar da proximidade dos adversários, Esteban não sofreu tentativas de ultrapassagem. No fim, assegurou um excelente top 6 no GP da Itália. A vitória ficou com Hamilton, seguido por Bottas e Vettel. Com o resultado, Lewis assumiu pela primeira vez na temporada a liderança do Mundial, com três pontos de vantagem sobre Seb (238 a 235). Já Ocon se consolidou em oitavo na tabela de classificação, com 55 pontos, a apenas 3 de Pérez, o sétimo e seu principal rival no ano (com 58).  Diante disso, Esteban estava feliz com o resultado.

“Eu me diverti na corrida e estou feliz com nossa performance. Ao mesmo tempo, estou um pouco desapontado porque queria subir ao pódio. Mas você precisa ser realista, não tivemos velocidade para acompanhar Mercedes e Ferrari, então creio que o sexto lugar era o máximo que poderíamos alcançar. Em certo ponto, estávamos lutando contra Raikkonen e pensei que poderíamos mantê-lo atrás, mas ele estava rápido demais. Também tive uma boa batalha com Stroll e trabalhei duro para mantê-lo atrás de mim. Com a classificação forte ontem (sábado) e o sexto lugar de hoje (domingo), foi um ótimo fim de semana. Tenho de agradecer a equipe pelo trabalho duro e por me dar um carro tão competitivo”, festejou Ocon.

Ocon celebrou o top 6 em Monza: francês está a 3 pontos de Pérez no duelo da Force India

Ocon celebrou o top 6 em Monza: francês está a 3 pontos de Pérez no duelo da Force India

Anúncios

Sobre contosdaf1

Desde 1981, um amante de automobilismo. E veio desde o registro, quando no cartório seu pai foi questionado se queria colocar o nome "Willians" no garoto. "Esse é o nome de uma escuderia. Pode dar problema para ele no futuro", disse a escrivã. Hoje em dia, a equipe Williams voltou a se destacar, enquanto o menino segue o destino. Jornalista, nascido em Santos, cobriu os GPs do Brasil de 2005 a 2009 em Interlagos pelo jornal A Tribuna. Acompanha a Fórmula 1 religiosamente desde 1986. Pretende fazer isso até seus últimos dias. Afinal, o faz desde o primeiro.
Esta entrada foi publicada em Daniil Kvyat, Esteban Ocon, Force India, Haas, Itália, Lance Stroll, Monza, Romain Grosjean, Sergio Pérez, Toro Rosso, Williams. ligação permanente.

2 respostas a Itália-2017: Esteban Ocon, o ‘melhor do resto’ em Monza

  1. Contos da F1 oi pessoal a minha sugestão do Gp de Cingapura 2017 é sem dúvida é o 6 lugar do ”demitido” Jolyon Palmer da Renault Nesta semana a Renault anunciou que o Carlos Sainz seria piloto da Regie á partir do Gp da Malásia ao lado do Hulkenberg e a Toro Rosso vai promover o jovem françes Pierre Gasly e o Palmer acabou ”dançando” e isso mexeu muito com o Inglês e na corrida ele se aproveitou do desastre da Ferrari na largada que tambêm tirou Verstappen e Alonso da corrida e se aproveitou e fez uma ótima largada chegando a estar em 2 lugar e depois numa boa estratégia conseguiu o seu melhor resultado na sua vida na F1 6 lugar na sua última corrida na Renault e dando uma resposta para os Regie que o demitia após este Gp

  2. Contos da F1 outra sugestão pode ser o 4 lugar do Carlitos Sainz na sua última corrida pela Toro Rosso que por sinal foi seu melhor resultado na sua vida na F1 e esta colocação foi muito importante para a STR porque nas últimas corridas a equipe estava perdendo rendimento além das trapalhadas do seu companheiro Danill Kvyat e o hoje o Carlitos segurou o Sergio Pérez como um toureiro nas arenas de Cingapura e chegou na inédita 4 colocação e chega na Renault com muita moral

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s