Itália-2016: Pérez reclama, mas obtém top 8 em Monza

Sergio Pérez teve dificuldades, mas levou a Force India ao oitavo lugar em Monza

Sergio Pérez teve dificuldades, mas levou a Force India ao 8º lugar: missão não-cumprida em Monza

Sergio Pérez tinha um objetivo em mente quando desembarcou em Monza, palco do GP da Itália de 2016: tirar Valtteri Bottas (Williams) do sétimo lugar do Mundial de Pilotos. Após conquistar o quinto lugar no GP da Bélgica, em Spa-Francorchamps, o mexicano ficou a quatro pontos do finlandês na tabela de classificação – Valtteri estava com 62, contra 58 de Checo. As características do velocíssimo circuito italiano pareciam favorecer Sergio e a Force India nessa disputa particular. Todavia, a equipe indiana se viu atrás da Williams durante todo o fim de semana. Apesar do esforço, Pérez teve que se contentar com o oitavo lugar, duas posições atrás de Bottas, sexto em Monza. Com o resultado, o latino viu o finlandês abrir para oito pontos sua vantagem no duelo pela sétima posição da temporada – 70 a 62.

O desempenho abaixo das expectativas fez com que a escuderia de Vijay Mallya perdesse o quarto lugar no Mundial de Construtores para o time de Frank Williams – a equipe de Grove subiu para 111, contra 108 da rival indiana (que mantém sede em Silverstone). O revés no GP da Itália surpreendeu a Force India. Após o bom fim de semana em Spa, esperava-se repetir a dose em Monza. Contudo, desde o momento em que Pérez e Nico Hulkenberg levaram o VJM09 para a pista, viu-se que seria uma missão quase impossível colocar os dois carros entre os cinco primeiros – como na etapa belga. Na sexta-feira, dia dos primeiros treinos no traçado italiano, Checo ficou em 13º, com 1m24s650. O mexicano ficou a 0s063 de Hulkenberg, 12º com 1m24s587, e a 1s849 de Lewis Hamilton (Mercedes), o melhor da sexta com 1m22s801.

O mexicano reclamou da falta de equilíbrio do VJM09 no circuito italiano: Force India foi superada pela Williams na Itália

O mexicano reclamou da falta de equilíbrio do VJM09: Force India foi superada pela Williams na Itália

Diante do discretíssimo resultado nas sessões livres, a Force India acionou o alerta nos boxes, para apreensão de Pérez. “Não acho que hoje (sexta) foi bem como nós pensávamos. O equilíbrio do carro ainda não está onde eu quero, por isso precisamos entender o por quê. Há ainda alguns décimos que podemos encontrar e deve ser um bom ponto de partida. Os tempos mostram que a batalha no pelotão intermediário é ainda mais estreita do que o habitual, por isso precisamos continuar pressionando para melhorar”, afirmou Sergio, que utilizou o halo pela primeira vez em seu bólido. “Foi apenas uma volta de instalação, mas não senti quaisquer problemas com a visibilidade. Saindo do carro é um pouco mais difícil, mas será interessante ver como esta tecnologia se desenvolve ao longo do tempo”, analisou.

No sábado, a Force India encontrou um acerto mais eficiente, o que colocou seus dois pilotos no top 10 da qualificação. Tanto Pérez quanto Hulkenberg avançaram para o Q3 de Monza. Na sessão decisiva, Checo alcançou o oitavo tempo, com 1m22s814, 0s022 à frente de Hulk, nono no grid com 1m22s836. O mexicano ficou a 1s619 de Lewis Hamilton (Mercedes), pole do GP da Itália com 1m21s135. “Acho que podemos ficar satisfeitos com o resultado de hoje (sábado). Temos enfrentado dificuldades o fim de semana inteiro, mas trabalhamos realmente duro na noite passada para melhorar o equilíbrio do carro e demos um passo à frente na classificação. Alguns de nossos rivais parecem ter um ritmo bem forte, mas creio que maximizamos nosso esforço, com os nossos dois carros entre os 10 primeiros. Em geral, foi uma sessão empolgante”, observou Sergio.

Na largada do GP da Itália, Pérez se aproveitou da má saída de Verstappen e subiu para sétimo

Na largada do GP da Itália, Pérez se aproveitou da má saída de Verstappen e subiu para sétimo

A corrida

Em 4 de setembro de 2016, 22 pilotos alinharam para a disputa do GP da Itália, em Monza. Sob um céu parcialmente nublado, Pérez se colocou na oitava posição do grid, calçando pneus supermacios  – o que lhe impediria de fazer um longo primeiro stint. Dessa forma, forçar desde o início era preciso para alcançar um bom resultado. Quando os carros partiram para o contorno da primeira chicane do traçado italiano, Checo foi cauteloso. Ainda assim, se aproveitou da má saída de Max Verstappen (Red Bull) para assumir o sétimo lugar. A partir daí, o mexicano não conseguia acompanhar o ritmo de Daniel Ricciardo (Red Bull), o sexto. Por outro lado, não era incomodado por Felipe Massa (Williams), o oitavo. O brasileiro, aliás, foi um dos nomes mais comentados do fim de semana, após anunciar que se retiraria da F1 ao fim da temporada.

Despedidas à parte, Pérez queria saber de acelerar. Sem chance de pressionar Ricciardo, restava ao mexicano esperar como as equipes lidariam com as opções estratégicas para a prova italiana. O momento da parada poderia determinar o resultado da corrida. Logo na volta 13, Valtteri Bottas (Williams) foi para os boxes. Assim, Checo subiu para sexto. Todavia, ficaria ali apenas por duas voltas. Na 15, o latino foi chamado pela Force India para realizar seu primeiro pit stop. Na troca, o time sacou os pneus supermacios e colocou os compostos macios. Assim, Sergio permaneceria por mais tempo na pista. Por outro lado, o jogo não resistiria até o fim da prova, o que forçaria o mexicano a fazer uma segunda parada.

Durante a corrida, Pérez andou à frente de Hulkenberg: ambos terminaram no top 10 de Monza

Durante a corrida, Pérez andou à frente de Hulkenberg: ambos terminaram no top 10 de Monza

No retorno à pista, o asteca se viu em 10º, atrás de Carlos Sainz Jr. (Toro Rosso). Na volta 16, Pérez superou o espanhol. Com a ida de Massa para os boxes, na mesma passagem, o piloto da Force India subiu para oitavo. Na volta 22, Sergio ultrapassou Romain Grosjean (Haas) – que ainda não havia feito seu pit stop -, assumindo a sétima colocação. Quem também passou Grosjean foi Verstappen, que tentava se recuperar na corrida. Diante da perseguição do holandês, a Force India resolveu alterar a estratégia do mexicano. A fim de segurar Max, o time indiano antecipou a segunda parada de Pérez. Dessa forma, apostaria na força do motor Mercedes para evitar que o jovem da Red Bull o superasse.

Na volta 28, Sergio foi aos boxes. No pit stop, o time colocou um novo jogo de pneus macios. Com isso, iria até o fim com aqueles compostos. Ao retornar à pista, estava em 11º, atrás de Fernando Alonso (McLaren). Com os novos pneus, Pérez partiu para o ataque sobre Alonso – afinal, não podia perder tempo no duelo contra Verstappen. Na volta 32, Checo ultrapassou Alonso e assumiu o 10º lugar. Com a parada de Nico Hulkenberg (Force India) na 34, o latino passou para a nona posição. Na volta 36, Verstappen foi aos boxes, e Sergio se viu à frente do holandês, na oitava colocação. Pronto: a estratégia de barrar Max havia surtido efeito. Com a parada de Massa na 37, Pérez reassumiu o sétimo lugar.

Pérez sai dos boxes à frente de Verstappen: estratégia ousada não surtiu resultado

Pérez sai dos boxes à frente de Verstappen: estratégia ousada não surtiu resultado

Apesar da tática ter funcionado inicialmente, Checo teria que lidar com Verstappen e Massa utilizando pneus em melhor estado. Com o passar das voltas, o rendimento do mexicano despencou, possibilitando a aproximação de Max e de Felipe. O holandês passou a pressionar o latino pelo sétimo lugar. Na volta 48, Verstappen contornou a Curva Grande colado em Pérez. Na freada da segunda chicane, o jovem da Red Bull foi para cima de Sergio, que saiu da pista para evitar o choque. A estratégia que parecia dar certo não funcionou conforme planejou a Force India. Checo caiu para oitavo, e não conseguia mais acompanhar Verstappen. Pior: viu Massa se aproximar perigosamente, ameaçando seu lugar no top 8.

Mesmo com as investidas de Massa, Pérez conseguiu se manter em oitavo, completando o GP da Itália novamente na zona de pontos. A vitória em Monza ficou com Nico Rosberg (Mercedes), seguido por Lewis Hamilton (Mercedes) e Sebastian Vettel (Ferrari). Ao final da corrida, Sergio lamentou o resultado. “Eu não me diverti tanto na pista hoje (domingo). Para mim, foi uma corrida solitária durante a maior parte do tempo. Acho que conseguimos o melhor resultado possível. Tentamos uma estratégia agressiva, antecipando o segundo pit stop para tentar cobrir Verstappen, mas foi cedo demais e fomos muito pressionados por Massa no final. Foi importante ficar à frente dele. Sabíamos que seria uma prova desafiadora, e isso mostra que precisamos continuar trabalhando duro”, finalizou o mexicano.

Com o 8º lugar, Pérez ficou a 8 pontos de Valtteri Bottas (Williams), sétimo no Mundial

Com o 8º lugar em Monza, Pérez ficou a 8 pontos de Valtteri Bottas (Williams), sétimo no Mundial

Anúncios

Sobre contosdaf1

Desde 1981, um amante de automobilismo. E veio desde o registro, quando no cartório seu pai foi questionado se queria colocar o nome "Willians" no garoto. "Esse é o nome de uma escuderia. Pode dar problema para ele no futuro", disse a escrivã. Hoje em dia, a equipe Williams voltou a se destacar, enquanto o menino segue o destino. Jornalista, nascido em Santos, cobriu os GPs do Brasil de 2005 a 2009 em Interlagos pelo jornal A Tribuna. Acompanha a Fórmula 1 religiosamente desde 1986. Pretende fazer isso até seus últimos dias. Afinal, o faz desde o primeiro.
Esta entrada foi publicada em Carlos Sainz Jr., Force India, Haas, Itália, Monza, Nico Hulkenberg, Romain Grosjean, Sergio Pérez, Toro Rosso. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s