EUA-2015: furacão Verstappen arrasa concorrência em Austin

Max Verstappen celebra com a Toro Rosso o quarto lugar: holandês deu show em Austin

Max Verstappen celebra com a Toro Rosso o quarto lugar: holandês deu show em Austin

A passagem do Furacão Patricia na costa oeste da América do Norte refletiu no fim de semana do GP dos Estados Unidos de 2015, em Austin. Treinos foram abreviados e até mesmo cancelados em razão da incessante chuva e de fortes rajadas de vento, atrapalhando pilotos e equipes no acerto para a etapa norte-americana. Apesar de todos os infortúnios, Max Verstappen (Toro Rosso) parecia se sentir em casa em solo ianque. O holandês brilhou no Circuito das Américas no último domingo. Nem a largada em piso molhado, tampouco a pista seca na parte final da corrida, intimidaram o jovem de 18 anos. Verstappen chegou a desafiar a dupla da Ferrari, Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen, durante a prova. No fim, o adolescente chegou a flertar com o pódio, mas foi premiado com um excelente quarto lugar, igualando seu melhor resultado na carreira até aqui – no GP da Hungria, em Hungaroring, também conquistou a quarta colocação.

25 de outubro de 2015 não foi somente um dia especial para Max. Também acabou sendo histórico para a Toro Rosso. Afinal, conquistou seu melhor resultado, como conjunto, desde o GP da China de 2007, em Xangai – na ocasião, Vettel terminou em quarto, e Vitantonio Liuzzi foi o sexto. Além do top 4 de Max, a escuderia italiana celebrou em Austin-2015 o melhor resultado de Carlos Sainz Jr. nesta temporada. Mesmo após largar em último e ser punido, o espanhol terminou em sétimo. Com os 18 pontos obtidos por Verstappen e Sainz Jr., o time de Faenza alcançou 63 pontos, ficando a apenas sete pontos da Lotus – as duas equipes lutam pelo sexto lugar do Mundial de Construtores. Com três etapas para o encerramento do campeonato deste ano, a briga tende a ser acirrada.

Carlos Sainz Jr., o pai, o bicampeão do WRC, Carlos Sainz, Jos e Max Verstappen: velocidade vem do berço

Carlos Sainz Jr., Carlos Sainz (bicampeão do WRC), Jos (ex-F1) e Max Verstappen: DNA veloz

Austin foi uma das poucas pistas em que Verstappen testou em 2014 – ano passado, como terceiro piloto da Toro Rosso, andou também nos treinos de Suzuka e Interlagos. Aproveitando-se daquela experiência, Max vislumbrava um bom resultado na prova norte-americana. Porém, o que ninguém do paddock esperava era que o clima estivesse tão instável no coração do Texas. Diante da tromba d’água que caía sobre o circuito, decorrente da chegada do Furacão Patricia na costa oeste do México, os treinos de sexta-feira ficaram restritos à primeira sessão livre. A direção de prova foi obrigada a cancelar o FP2.

Apesar do pouco tempo no cockpit, os garotos da Toro Rosso anotaram boas marcas no FP1. Verstappen foi o sétimo, com 1m55s969, ficando a 1s980 de Nico Rosberg (Mercedes), o mais veloz da sessão, com 1m53s989. O holandês foi superado por Sainz Jr., quarto com 1m55s667 – 0s302 à frente de Max. O filho de Jos Verstappen lamentou as condições em que o treino foi realizado. “Não fomos capazes de completar muitas voltas por causa da chuva. Mas o carro estava com bom desempenho no molhado, podemos ficar felizes com isso. Você nunca quer esta quantidade de chuva na sexta, especialmente durante seu ano de estreia – quando o mais importante é conseguir o máximo de quilometragem possível. Contudo, temos que lidar com isso”.

Debaixo de muita chuva, foram realizados apenas dois treinos livres em Austin

Foram realizados apenas dois treinos livres em Austin – um na sexta, outro no sábado. Culpa da chuva

Porém, o clima piorou no sábado, dia da sessão que definiria o grid de largada da corrida ianque. O FP3 acabou sendo realizado sob um dilúvio. A expectativa era que a chuva desse uma trégua no horário dos treinos classificatórios. Todavia, a tempestade persistiu. Após vários adiamentos, a FIA decidiu cancelar a sessão e realizar a definição do grid no domingo pela manhã. A esperança da entidade era que o tempo melhorasse. Porém, a 5h antes do horário previsto para a largada do GP dos Estados Unidos, a chuva insistia em ser protagonista do fim de semana. Foram realizadas duas das três sessões qualificatórias – o Q1 e o Q2. Com a piora do tempo, o Q3 foi cancelado.

Assim, o grid da etapa norte-americana foi definido de acordo com a ordem final do Q2. Verstappen anotou o 10º tempo, com 2m00s199, a 3s375 de Nico Rosberg (Mercedes), o mais rápido da sessão, com 1m56s824. Como os pilotos da Ferrari, Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen, perderiam 10 posições por terem trocado de motor, Max subiria para a oitava posição no grid. Em contrapartida, Sainz Jr. figuraria no 20º e último lugar, após sofrer um forte acidente no Q1.

Largada do GP dos Estados Unidos de 2015: Verstappen se livrou do toque entre Massa e Alonso

Largada do GP dos Estados Unidos de 2015: Verstappen se livrou do toque entre Massa e Alonso

A corrida

Havia um temor no ar de Austin, palco do GP dos Estados Unidos de 2015. O clima estava nebuloso quando os 20 carros alinharam no grid do Circuito das Américas. Entretanto, finalmente, a chuva começava a cessar. Apesar da pista molhada, os pilotos alinharam com pneus intermediários. Na largada, partiram em busca de um bom lugar para contornar a Curva 1. Verstappen decidiu por fazê-la por dentro. Assim, se livrou do choque que envolveu Felipe Massa (Williams) e Fernando Alonso (McLaren). Max chegou a ocupar a sétima posição, mas acabou superado por Sebastian Vettel (Ferrari), que iniciava sua corrida de recuperação. O holandês da Toro Rosso completou a volta 1 em oitavo, na cola do tetracampeão.

Na volta 5, Verstappen ultrapassou Nico Hulkenberg (Force India), assumindo o sétimo lugar. Na mesma passagem, o virtual safety car (VSC) foi acionado pela primeira vez em Austin, para a retirada dos detritos existentes na Curva 1 – além do toque entre Massa e Alonso, Romain Grosjean (Lotus), Valtteri Bottas (Williams), Felipe Nasr (Sauber) e Marcus Ericsson (Sauber) sofreram avariações em seus bólidos. Quando a relargada foi dada, na volta 9, Max partiu com tudo para cima de Vettel. Atrás do holandês, Kimi Raikkonen (Ferrari) e Carlos Sainz Jr. (Toro Rosso) – este, numa impressionante remontada -, travavam um árduo duelo. Quando Raikkonen tentou superar Verstappen, o jovem não teve dúvida: fechou o campeão de 2007.

Max, à frente de Raikkonen, Sainz Jr. e Hulkenberg

Max, à frente de Raikkonen, Sainz e Hulkenberg: holandês brigou de igual para igual com ferraristas

Max se manteve em sétimo até a volta 18, quando ingressou aos boxes. O adolescente seguiu Lewis Hamilton (Mercedes) e Vettel, que arriscaram a colocar pneus macios, para pista seca. A tática se mostrou a mais eficiente com o passar das voltas. Quando os demais adversários fizeram seus pit stops, Verstappen ascendeu na classificação. Na volta 19, o holandês era o 10º. Na passagem seguinte, com as paradas de Sergio Pérez (Force India), Raikkonen, Sainz Jr. e Hulkenberg, Max alcançou a sexta posição. Apesar de tentar, era impossível acompanhar o ritmo de Vettel, o quinto.

Quando o top 6 parecia consolidado para Verstappen, uma bandeira amarela deu nova cara à corrida: Ericsson, com problemas em seu Sauber, ficou parado na pista. Para retirá-lo, foi necessária a entrada do safety car, o que ocorreu na volta 27. Na passagem seguinte, Max foi aos boxes. Na troca, a Toro Rosso substituiu os pneus macios por um jogo novo dos mesmos compostos. No retorno à pista, continuou em sexto. Após a nova relargada, na volta 33, Verstappen partiu para cima da dupla da Red Bull, Daniil Kvyat e Daniel Ricciardo. Os dois, que faziam excelentes provas na chuva, viram suas performances se esvaírem com a pista seca. Na volta 34, Max superou Kvyat, assumindo o quinto lugar. Na passagem seguinte, ultrapassou Ricciardo, passando a ocupar a quarta posição.

A estratégia da Toro Rosso foi bem-sucedida, e colocou o holandês entre os primeiros em Austin

A estratégia da Toro Rosso foi bem-sucedida, e colocou o holandês entre os primeiros em Austin

Na volta 38, um toque entre Ricciardo e Hulkenberg tirou o alemão da corrida de Austin. Com os detritos na pista, foi acionado o VSC. Com o pit stop de Nico Rosberg (Mercedes), Verstappen assumiu a terceira colocação. Max estava atrás somente de Hamilton e Vettel. Era melhor do que sonhar, era real. Todavia, na relargada, na volta 40, Rosberg superou Verstappen, que caiu para quarto. O holandês seguiu ali até a volta 43, quando um acidente tirou Kvyat da prova e provocou a entrada do safety car. Sob bandeira amarela, Hamilton e Vettel realizaram seus derradeiros pit stops. Por sua vez, Max permaneceu na pista. Assim, ganhou a posição de Sebastian. Novamente, estava sonhando com o pódio.

Porém, o sonho virou ilusão logo após a relargada. Na volta 47, Vettel ultrapassou Verstappen. A partir dali, Max não tinha chance de superar Sebastian com pneus novos. As atenções dele se voltaram para Pérez, que vinha com ação, em quinto. O holandês controlou o mexicano com maestria, conquistando um excelente quarto lugar. A vitória no GP dos Estados Unidos ficou com Hamilton. Além de assumir definitivamente a terceira posição entre os maiores vencedores da categoria, com 43 triunfos, atrás somente de Alain Prost (51) e Michael Schumacher (91), Lewis assegurou matematicamente o tricampeonato mundial. Rosberg ficou em segundo, e Vettel, em terceiro.

Mecânicos da Toro Rosso comemoram os 18 pontos obtidos em Austin, graças ao 4º lugar de Verstappen e o 7º de Sainz

Toro Rosso celebrou 18 pontos em Austin, que vieram com o 4º lugar de Verstappen e o 7º de Sainz

Com razão, Hamilton estava eufórico com a conquista do tri. Mas Verstappen também tinha motivo para celebrar. “Eu realmente me diverti hoje (domingo). A quarta posição é um ótimo resultado, definitivamente o melhor que poderíamos fazer, estou muito feliz. Houve ótimas batalhas na pista, e eu diria que foi a prova mais completa da temporada até agora, tudo funcionou como deveria: não cometi erros, e a equipe fez um trabalho perfeito com a estratégia, tomando todas as decisões certas. Foi difícil saber quando colocar os pneus slick. Quando ouvi no rádio que outro carro estava com slicks e andando bem, decidi que era a nossa vez. Com os macios, eu não arrisquei demais, pois sabia que precisava cuidar dos pneus, e conseguirmos chegar ao final de maneira forte”, disse o holandês.

Max estava eufórico com a conquista do quarto lugar

Com o 4º lugar em Austin, Verstappen assumiu a 10ª posição do Mundial de Pilotos, com 45 pontos

Advertisements

Sobre contosdaf1

Desde 1981, um amante de automobilismo. E veio desde o registro, quando no cartório seu pai foi questionado se queria colocar o nome "Willians" no garoto. "Esse é o nome de uma escuderia. Pode dar problema para ele no futuro", disse a escrivã. Hoje em dia, a equipe Williams voltou a se destacar, enquanto o menino segue o destino. Jornalista, nascido em Santos, cobriu os GPs do Brasil de 2005 a 2009 em Interlagos pelo jornal A Tribuna. Acompanha a Fórmula 1 religiosamente desde 1986. Pretende fazer isso até seus últimos dias. Afinal, o faz desde o primeiro.
Esta entrada foi publicada em Austin, Carlos Sainz Jr., Estados Unidos, Felipe Nasr, Force India, Marcus Ericsson, Max Verstappen, Nico Hulkenberg, Sauber, Sergio Pérez, Toro Rosso. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s