Canadá-2014: Montreal, a pista predileta de Jean-Eric Vergne

O francês teve um fim de semana proveitoso no Canadá: no fim, veio o oitavo lugar

O francês teve um fim de semana proveitoso no Canadá: no fim, veio o oitavo lugar

O Circuito Gilles Villeneuve, na Ilha de Notre-Dame, em Montreal, tem sido o palco ideal para Jean-Eric Vergne (Toro Rosso) mostrar toda sua capacidade. Em 2013, o francês obteve o sexto lugar no GP do Canadá. Diante do bom desempenho na pista canadense no ano anterior, esperava-se que Vergne repetisse a dose. O top 6 não veio, é verdade, mas Jean-Eric demonstrou combatividade. Chegou a figurar em sétimo, e, quando já se conformava com o 10º lugar, herdou na última volta a oitava posição, que veio depois do violento choque que tirou Sergio Pérez (Force India) e Felipe Massa (Williams) da corrida.

Foi a comprovação da capacidade de Vergne. Em sua terceira temporada na Toro Rosso, o francês já tinha demonstrado sua habilidade em algumas ocasiões. Em 2012, por exemplo, fez mais pontos que Daniel Ricciardo, seu companheiro de equipe na época – anotou 16 pontos, contra 10 do australiano. No ano seguinte, porém, Ricciardo deu o troco, ao marcar 20 pontos, contra 13 de Jean-Eric. As performances de Daniel em 2013 levaram-no à Red Bull. Resignado, Vergne prosseguiu no time satélite. Para correr ao seu lado em 2014, foi contratado o jovem Daniil Kvyat, um calouro que tem aproveitado as oportunidades.

Vergne chegou a Montreal com o mesmo número de pontos de Kvyat: reação na Toro Rosso

Vergne chegou a Montreal com o mesmo número de pontos de Kvyat: reação na disputa interna

Apesar do noviciado, o russo pontuou em três das seis primeiras etapas do Mundial, desembarcando em Montreal com o mesmo número de pontos de Vergne – quatro. Diante da ascensão de Kvyat, nada melhor do que se deparar com o Circuito Gilles Villeneuve para frear o ímpeto de mais um novato na Toro Rosso. “Tive um bom GP lá no ano passado. E espero repetir o desempenho desta vez. A corrida lá é muito exigente com os freios, por conta das áreas de frenagens depois dos trechos de alta velocidade. E também é necessário ter uma boa velocidade, por conta das longas retas”, comentou Jean-Eric, que utilizou a experiência bem-sucedida de 2013 para encontrar um acerto ideal para a pista canadense.

Na sexta-feira, dia dos primeiros treinos livres, Vergne foi o 10º mais rápido, com 1m17s180. Sua marca foi 1s552 mais veloz que a de Kvyat, 19º com 1m18s732, e que andava pela primeira vez no traçado. No sábado, o russo evoluiu. Ainda assim, não foi páreo para Jean-Eric. Nas sessões classificatórias, o francês avançou para o Q3, enquanto o novato parou no Q2. Ao fim da classificação, Vergne garantiu um espetacular oitavo lugar no grid para o GP do Canadá, com 1m16s162, enquanto Kvyat anotou 1m16s713, sendo o 15º colocado. O tempo de Jean-Eric ficou a 1s288 de Nico Rosberg (Mercedes), o pole em Montreal.

No sábado, Jean-Eric brilhou ao colocar seu Toro Rosso no Q3: oitavo lugar no grid

No sábado, Jean-Eric brilhou ao colocar seu Toro Rosso no Q3: oitavo lugar no grid

“Hoje (sábado) tivemos uma grande classificação. A pista é estreita, então, para ir realmente bem, é necessário tirar o máximo do carro e andar no limite. A equipe e eu conseguimos alcançar nossos objetivos, e esse resultado recompensa todo o trabalho duro que tivemos. Iniciar a corrida a partir do oitavo lugar do grid é muito promissor, e eu certamente farei meu melhor para terminar a prova e levar alguns pontos para casa”, afirmou Vergne, com otimismo, após o treino.

Vergne largou bem e ganhou posição de Fernando Alonso (Ferrari)

Vergne largou bem e ganhou posição de Fernando Alonso (Ferrari), andando em 7º na 1ª parte da prova

A corrida

No domingo, 8 de junho de 2014, o sol brilhava quando as luzes vermelhas se apagaram, dando início ao GP do Canadá. Vergne largou bem e superou Fernando Alonso (Ferrari), assumindo o sétimo lugar. Todavia, ainda na volta 1, um choque envolvendo a dupla da Marussia, Jules Bianchi e Max Chilton, provocou a entrada do safety car. Por sete voltas, a bandeira amarela tremulou em Montreal. Apenas na volta 8, a corrida foi retomada. Jean-Eric permaneceu em sétimo, à frente de Alonso e atrás de Daniel Ricciardo (Red Bull). Apesar de calçar pneus supermacios, que se desgastavam mais rapidamente, o francês resistiu na pista, e viu os adversários irem aos boxes de forma antecipada.

Na volta 13, Ricciardo trocou de borracha, e Vergne ascendeu ao sexto lugar. Na passagem seguinte, foi a vez de Valtteri Bottas (Williams) fazer seu pit stop, colocando Jean-Eric no top 5. Todavia, a alegria do francês da Toro Rosso durou pouco: na volta 15, teve que realizar a troca dos pneus supermacios pelos macios, mais duráveis. No retorno à pista, se viu em 11º. A partir daí, Vergne teve que esperar a parada dos demais adversários, e notou que havia sido superado por Alonso. Não só isso: a dupla da Force India, Sergio Pérez e Nico Hulkenberg, largou com compostos macios, e subiu na classificação. Dessa forma, Jean-Eric se viu na tímida 10ª colocação.

O francês abriu quatro pontos de vantagem sobre Kvyat no Mundial: russo abandonou em Montreal

O francês abriu quatro pontos de vantagem sobre Kvyat no Mundial: russo abandonou em Montreal

O francês seguiu no top 10, esperando a parada de Pérez e Hulkenberg. Quando o mexicano foi aos boxes, na volta 34, Vergne viu a chance de superá-lo. Entretanto, em vão: Sergio saiu justamente na frente do piloto da Toro Rosso. Com pneus mais aquecidos, Jean-Eric partiu para cima do latino, e conseguiu superá-lo na passagem seguinte. Naquele mesmo instante, Bottas fazia seu segundo pit stop. Com isso, o francês se viu em oitavo. Com as paradas de Ricciardo e de Sebastian Vettel (Red Bull), Vergne reassumiu a sexta posição. Mas, na volta 39, teve que fazer seu definitivo pit stop, colocando novamente pneus macios. No retorno, estava em 11º.

Anotar pontos seria o máximo para Vergne naquele momento. Determinado a cumprir com seu objetivo, o francês passou a medir forças com Kevin Magnussen e Jenson Button, ambos da McLaren. Na volta 45, superou o dinamarquês para assumir a 10ª posição. Duas voltas depois, subiu para nono, graças ao abandono de Lewis Hamilton (Mercedes). Porém, ficou ali por pouco tempo: na volta 48, foi ultrapassado por Button, retornando ao 10º lugar. Sem ritmo para acompanhar o inglês da McLaren, parecia que ficaria com apenas um pontinho de consolação.

Choque de Pérez e Massa deu a oitava posição ao francês: melhor corrida da carreira, segundo o próprio piloto

Choque de Pérez e Massa deu a 8ª posição a Jean-Eric: melhor corrida da carreira, segundo o próprio piloto

Contudo, na volta 70, a última da corrida, Felipe Massa (Williams) e Sergio Pérez (Force India) se enroscaram quando disputavam a quarta colocação. Com o abandono do brasileiro e do mexicano, Vergne viu a oitava posição cair em seu colo. A vitória ficou com Ricciardo – a primeira do australiano na Fórmula 1 -, seguido por Rosberg e Vettel. À Jean-Eric, restou celebrar quatro importantes pontos, os primeiros dele desde Melbourne. “Estou extremamente feliz, pois sinto que fiz o meu melhor hoje (domingo). Foi uma boa prova, talvez a melhor da minha carreira na Fórmula 1 até agora, não em termos de resultado, mas creio que tudo correu perfeitamente, e finalmente marcamos alguns pontos”, concluiu.

Vergne é festejado pela equipe após oitavo lugar: oito pontos no Mundial de Pilotos

Vergne é festejado pela equipe após oitavo lugar: oito pontos no Mundial de Pilotos

 

Advertisements

Sobre contosdaf1

Desde 1981, um amante de automobilismo. E veio desde o registro, quando no cartório seu pai foi questionado se queria colocar o nome "Willians" no garoto. "Esse é o nome de uma escuderia. Pode dar problema para ele no futuro", disse a escrivã. Hoje em dia, a equipe Williams voltou a se destacar, enquanto o menino segue o destino. Jornalista, nascido em Santos, cobriu os GPs do Brasil de 2005 a 2009 em Interlagos pelo jornal A Tribuna. Acompanha a Fórmula 1 religiosamente desde 1986. Pretende fazer isso até seus últimos dias. Afinal, o faz desde o primeiro.
Esta entrada foi publicada em Canadá, Daniil Kvyat, Jean-Eric Vergne, Jules Bianchi, Marussia Virgin, Max Chilton, Montreal, Toro Rosso. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s