Abu Dhabi-2013: Di Resta para Hamilton e garante sexto lugar

Paul conduziu com maestria seu Force India em Yas Marina: um convincente sexto lugar

Paul conduziu com maestria seu Force India em Yas Marina: um convincente sexto posto

As últimas duas etapas da perna asiática da temporada 2013 da Fórmula 1 foram positivas para Paul di Resta e a Force India. Depois de voltar a pontuar no GP da Índia, onde obteve o oitavo lugar, o conjunto manteve a boa fase em Abu Dhabi. No último domingo, 3 de novembro, o britânico levou o carro da escuderia de Vijay Mallya ao sexto lugar em Yas Marina, palco da 17ª etapa do Mundial. Em um desempenho consistente, Di Resta defendeu-se de campeões como Fernando Alonso (Ferrari) e Lewis Hamilton (Mercedes). No fim, o ferrarista tomou-lhe o quinto posto. Todavia, segurou com destreza o piloto da Flecha de Prata, somando mais oito pontos na classificação.

Com o resultado, Paul consolidou-se na 10ª posição do Mundial, com 48 pontos. Ele estava sendo ameaçado pela ascensão de Nico Hulkenberg (Sauber), que abandonou em Abu Dhabi e permaneceu com 39 pontos. Além de se livrar do alemão, Di Resta se aproximou de Jenson Button (McLaren). No momento, o campeão de 2009 tem 60 pontos. Como faltam duas etapas – Estados Unidos, em Austin, e Brasil, em Interlagos -, o escocês tem a possibilidade de subir ainda mais na tabela de 2013.

Com os oito pontos obtidos em Abu Dhabi, Di Resta se consolidou na 10ª posição do Mundial

Com os oito pontos obtidos em Abu Dhabi, Di Resta se consolidou na 10ª posição do Mundial

Dias depois de obter o nono lugar em Buddh graças a uma eficiente estratégia traçada pela Force India, Di Resta desembarcou no Oriente Médio com pretensões maiores. Quando seu carro foi para a pista de Yas Marina, ficou com uma boa impressão, apesar da quebra do sistema de freios e do 13º tempo nos treinos de sexta. Foi tudo bem, mas ainda precisamos melhorar um pouco na parte de alta velocidade. Mesmo com o tempo perdido pelo problema, conseguimos testar os pneus macios antes do final da sessão”, disse Paul, sem saber ainda que tais testes seriam fundamentais para o bom resultado da prova.

No sábado, Di Resta se mostrou adaptado ao circuito de Abu Dhabi. Tanto que, mais uma vez, superou seu companheiro Adrian Sutil na classificação para o GP de domingo. O alemão, em péssimo momento, parou no Q1, com o tempo de 1m42s051, ficando à frente apenas das duplas da Marussia e da Caterham. Paul foi ao Q2, e anotou 1m41s133 em sua melhor volta, insuficiente para avançar ao Q3. No fim, ficou com o 12º tempo do dia.

Nos treinos de sexta, o escocês adaptou seu carro aos pneus macios; no sábado, avançou para o Q2 e anotou o 12º tempo

Na sexta, o escocês adaptou seu carro aos pneus macios; no sábado, avançou para o Q2 e anotou o 12º tempo

Estou me sentindo bem no carro, que vem funcionando bem ao longo de todo o fim de semana. Para amanhã (domingo), acredito que temos uma boa chance de marcar alguns pontos. Também acho que estamos melhor para a corrida do que para a classificação. Há uma longa prova à nossa frente, mas vamos trabalhar duro para ter uma boa estratégia e tentar progredir na corrida”, afirmou o escocês, parecendo prever que teria um bom desempenho em Abu Dhabi.

Para a corrida, a Force India decidiu que Di Resta faria a primeira parte da etapa com os pneus macios – aqueles testados na sexta-feira. A intenção era parar apenas uma vez nos boxes, colocando os pneus médios para fazer um stint longo. Sutil, por sua vez, faria tática oposta – largaria com os médios, finalizaria a prova com os macios. Plano estabelecido, e lá foi Paul para a prova. Ele largou em 11º, depois de Kimi Raikkonen (Lotus) ter perdido seu quinto tempo e ser obrigado a ocupar o 22º e último lugar do grid.

Na largada, Di Resta assumiu o 10º lugar, à frente de Pastor Maldonado (Williams)

Na largada, Di Resta assumiu o 10º lugar, à frente de Pastor Maldonado (Williams)

Quando as luzes vermelhas se apagaram, o britânico da Force India se aproveitou da péssima largada de Daniel Ricciardo (Toro Rosso) para assumir o 10º lugar. Na volta 6, passou a ocupar a nona posição após a parada de Sergio Pérez (McLaren). O mexicano, aliás, abriu os boxes para aqueles pilotos que optariam por dois pit stops na corrida.

Com exceção de Ferrari e Force India, todas as equipes planejaram duas paradas. Dessa forma, Di Resta subiu vertiginosamente na classificação. Na volta 19, estava na segunda colocação, atrás apenas de Sebastian Vettel (Red Bull). Em compensação, era pressionado por Nico Rosberg (Mercedes), Mark Webber (Red Bull) e Romain Grosjean (Lotus). A tática da escuderia indiana tinha funcionado: o escocês preservou os pneus macios, e pôde entrar nos boxes na volta 20. Na saída, já com pneus médios, se viu na 13ª posição.

O grande desafio de Di Resta foi manter-se com pneus médios por 35 voltas: tática bem-sucedida

O grande desafio de Di Resta foi preservar-se com pneus macios por 20 voltas: tática bem-sucedida

A partir dali, o desafio de Di Resta foi manter-se com os novos compostos por 35 voltas. O ritmo era bom, e, com a abertura da janela para a segunda parada das demais equipes, na volta 24, o escocês voltou a ascender na classificação. Na volta 30, já ocupava o sétimo lugar, atrás dos ferraristas Felipe Massa e Fernando Alonso. Todavia, os carros da Rossa não resistiram, e foram obrigados a fazer um segundo pit stop. Dessa forma, na volta 45, Paul subiu para o quinto lugar.

À frente do britânico da Force India, os quatro primeiros já haviam definido suas situações em Abu Dhabi – pela ordem, Vettel, Webber, Rosberg e Grosjean. Atrás dele, porém, a luta estava aberta. Hamilton estava colado em Di Resta. Além disso, a partir da volta 46, Alonso bateu seguidamente o recorde da pista. Na volta 50, Fernando superou Lewis. Na passagem seguinte, não tomou conhecimento de Paul, e assegurou o quinto posto. “Foi impossível segurar Alonso, já que ele estava com pneus macios muito mais novos”, admitiu o britânico da Force India.

Di Resta bem que tentou segurar o quinto lugar, mas foi impossível segurar Alonso com pneus novos

Di Resta bem que tentou segurar o quinto lugar, mas foi impossível segurar Alonso com pneus novos

No fim, Di Resta parou Hamilton como pôde. “Lewis estava com os médios, então eu me concentrei em sair bem do hairpin e da chicane antes da longa reta, e consegui me manter à frente”, celebrou o escocês, garantindo um importante sexto lugar para a Force India. Graças, sobretudo, a mais uma bem-sucedida estratégia. “É uma ótima sensação terminar em sexto e fazer a tática de uma parada funcionar. Os oito pontos são o que precisávamos, e todos na equipe merecem crédito pelo grande esforço desta semana”, concluiu.

Di Resta somou 10 pontos nos dois últimos GPs: sonho de superar Button no Mundial

Di Resta somou 12 pontos nos dois últimos GPs: sonho de superar Button no Mundial

Advertisements

Sobre contosdaf1

Desde 1981, um amante de automobilismo. E veio desde o registro, quando no cartório seu pai foi questionado se queria colocar o nome "Willians" no garoto. "Esse é o nome de uma escuderia. Pode dar problema para ele no futuro", disse a escrivã. Hoje em dia, a equipe Williams voltou a se destacar, enquanto o menino segue o destino. Jornalista, nascido em Santos, cobriu os GPs do Brasil de 2005 a 2009 em Interlagos pelo jornal A Tribuna. Acompanha a Fórmula 1 religiosamente desde 1986. Pretende fazer isso até seus últimos dias. Afinal, o faz desde o primeiro.
Esta entrada foi publicada em Abu Dhabi, Adrian Sutil, Daniel Ricciardo, Force India, Nico Hulkenberg, Paul di Resta, Sauber, Toro Rosso, Yas Marina. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s