Las Vegas-1982: Alboreto recoloca Tyrrell no topo

Uma inesperada vitória de Alboreto encerrou a temporada de 1982

Uma inesperada vitória de Alboreto encerrou a temporada de 1982

Em 23 de dezembro de 1956, nascia em Milão um piloto que devolveu ao povo italiano a esperança de ter um campeão mundial da Fórmula 1. Michele Alboreto não conseguiu repetir os feitos de Giuseppe Nino Farina e de Alberto Ascari, mas chegou perto. O início da euforia em torno deste milanês se deu num estacionamento adaptado em pista. Ali, em 1982, Michele levou a Tyrrell à vitória no GP de Las Vegas. Foi a primeira vitória de Alboreto na categoria, e a primeira da escuderia de Ken Tyrrell em quatro anos.

O feito coroou a primeira temporada completa de Alboreto na Fórmula 1. Em 1982, o italiano teve um desempenho muito além das expectativas. Nas quatro primeiras etapas, Michele terminou em três na zona de pontuação – foi quarto no Brasil e nos Estados Unidos-Oeste e terceiro em San Marino (cabe ressaltar que, em Imola, apenas 12 carros disputaram o GP por conta do imbróglio entre a FISA e as escuderias). Os bons resultados o colocaram na terceira posição do Mundial até então, com 10 pontos.

Em Mônaco, Alboreto andou em quinto, mas abandonou: boa fase da Tyrrell em 1982

Em Mônaco, Alboreto andou em quinto, mas abandonou: boa fase da Tyrrell em 1982

Depois do bom início, o piloto da Tyrrell passou por uma fase irregular, com uma série de seis corridas fora da zona de pontos. Alboreto só emplacaria uma sequência positiva com o sexto na França e o quarto na Alemanha. Depois, o italiano não pontuaria na Áustria e na Suíça, e seria quinto em casa, no GP da Itália, em Monza.

Michele chegou a Las Vegas na 11ª posição do Mundial, com 16 pontos. Mas a Tyrrell surpreendeu na pista do estacionamento do Caesars Palace. Alboreto ignorou a disputa pelo título entre Keke Rosberg (Williams) e John Watson (McLaren) e levou o carro de Ken Tyrrell a um excelente terceiro lugar no grid, 1s290 atrás de Alain Prost (Renault), o pole. A outra Renault, de René Arnoux, completaria a primeira fila.

Michele alinhou seu Tyrrell num excelente terceiro lugar, atrás apenas da dupla da Renault

Michele alinhou seu Tyrrell num excelente terceiro lugar, atrás apenas da dupla da Renault

Apesar do poderio dos carros franceses, todos sabiam que os bólidos de Prost e Arnoux não eram confiáveis. Por conta disso, a ‘zebra’ italiana passou a ser levada em consideração pelo paddock. A resposta seria conhecida no sábado (sim, o GP de Las Vegas foi disputado num sábado!), 25 de setembro de 1982. O italiano da Tyrrell viu os franceses da Renault saltarem na liderança após a largada. Enquanto isso, Alboreto travou um áspero duelo com o norte-americano Eddie Cheever (Ligier) pelo terceiro lugar, mas Michele levou a melhor e manteve sua posição.

Na volta 2, Arnoux superou Prost e alcançou a ponta. René manteria a primeira posição até a volta 14, quando Alain retomou a liderança. O ritmo de Arnoux caiu drasticamente – o motor Renault Turbo já apresentava defeito. O francês deixou a etapa de Las Vegas na volta 20, o que levou Alboreto ao segundo lugar. O problema para Michele, contudo, passou a ser Watson. O britânico da McLaren, que largou em nono e caiu para 11º, estava com fome de título e aparecia em terceiro.

Largada em Las Vegas: em primeiro plano, Alboreto divide a curva com Eddie Cheever (Ligier)

Largada em Las Vegas: atrás das Renault, Alboreto divide a curva com Eddie Cheever (Ligier)

Apesar de Watson, o italiano manteve um bom ritmo e não foi ameaçado por John. Todavia, Prost estava muito distante. Uma vitória, portanto, só aconteceria se Alain enfrentasse algum tipo de dificuldade com seu Renault. A partir da volta 45, o carro francês passou a perder estabilidade, possibilitando a aproximação do piloto da Tyrrell. O improvável aconteceria na volta 52: Alboreto ultrapassou Prost. Michele era o líder em Las Vegas.

A partir daí, o italiano manteve um ritmo regular, não permitindo a aproximação de Watson, que passou Alain na volta 56. O francês da Renault ainda perderia seu lugar no pódio para Cheever, que tomou-lhe o terceiro posto na volta 66. Com a corrida sob controle, bastou a Alboreto levar a Tyrrell à bandeira quadriculada. Uma vitória bastante celebrada. A festa foi tamanha que tanto Michele quanto Rosberg, que se consagrou campeão em Las Vegas, ganharam um beijo na boca da diva Diana Ross. Desfecho melhor para Alboreto, sétimo em 1982 com 25 pontos, impossível.

Alboreto no pódio, ladeado por Cheever, Diana Ross e John Watson

Alboreto no pódio, ladeado por Eddie Cheever, 3º em Las Vegas, Diana Ross e John Watson, 2º

Anúncios

Sobre contosdaf1

Desde 1981, um amante de automobilismo. E veio desde o registro, quando no cartório seu pai foi questionado se queria colocar o nome "Willians" no garoto. "Esse é o nome de uma escuderia. Pode dar problema para ele no futuro", disse a escrivã. Hoje em dia, a equipe Williams voltou a se destacar, enquanto o menino segue o destino. Jornalista, nascido em Santos, cobriu os GPs do Brasil de 2005 a 2009 em Interlagos pelo jornal A Tribuna. Acompanha a Fórmula 1 religiosamente desde 1986. Pretende fazer isso até seus últimos dias. Afinal, o faz desde o primeiro.
Esta entrada foi publicada em Eddie Cheever, Ken Tyrrell, Las Vegas, Ligier, Michele Alboreto, René Arnoux, Tyrrell. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s