Luxemburgo-1997: a epopeia de Pedro Paulo Diniz

Impecável, Pedro Paulo Diniz foi quinto no GP de Luxemburgo de 1997

Impecável, o brasileiro Pedro Paulo Diniz foi quinto em Nurburgring-1997

Pedro Paulo Diniz nunca foi uma unanimidade na Fórmula 1. As críticas direcionadas a ele fugiam da capacidade de pilotar um carro de corrida. O paulistano teve sua carreira marcada na categoria muito mais pelo fato de ‘comprar cockpits’ para sobreviver no ‘circo’ do que propriamente pelos seus desempenhos. Herdeiro do Grupo Pão de Açúcar, o filho do empresário Abílio Diniz deu sequência a uma tradição de sua família: a paixão por carros. Pedro Paulo foi quem mais se dedicou: correu nas principais categorias brasileiras e atuou nos grandes campeonatos da Europa. Todavia, jamais emplacou grandes resultados.

Em 1995, chegou à Fórmula 1 graças ao investimento de sua empresa, que ajudou a bancar a frustrada empreitada da Forti Corse. O carro fechava o grid. No ano seguinte, conseguiu um lugar na Ligier. Obteve dois pontos na temporada graças aos sextos lugares na Espanha e na Itália. Porém, seu companheiro Olivier Panis chegou a vencer um GP naquele ano, em Mônaco. Para 1997, deixou o time francês – que passaria para o controle de Alain Prost – e ‘adquiriu’ o segundo cockpit da Arrows-Yamaha. O primeiro assento já tinha dono: Damon Hill, o campeão mundial de 1996, levou o número 1 para a equipe de Tom Walkinshaw.

Em 1997, Diniz tinha Damon Hill, o campeão de 1996, como companheiro na Arrows

Em 1997, Diniz tinha Hill, campeão de 1996, como parceiro

Naquela que seria sua terceira temporada em um terceiro time, Diniz sabia que precisaria não só de dinheiro para prosseguir na categoria máxima do automobilismo. O brasileiro era obrigado a obter resultados. Para isso, precisava aprender ao máximo com Hill. O inglês foi à luta, apesar do sofrível equipamento da Arrows. Quase venceu o GP da Hungria – foi segundo em Hungaroring – e tinha sete pontos no campeonato quando chegou a Nurburgring, na Alemanha, para a disputa do GP de Luxemburgo. Pedro Paulo, em compensação, não tinha marcado nenhum ponto.

As esperanças desse panorama mudar no tradicional circuito alemão eram poucas. Nos treinos em Nurburgring, Diniz alinhou seu Arrows na 15ª colocação no grid – duas atrás de Hill, o 13º. Alcançar o top 6 naquele 28 de setembro de 1997 era algo improvável. Mas “carreras son carreras”, já diria o célebre pentacampeão Juan Manuel Fangio. As coisas mudariam para Pedro Paulo e a Arrows assim que as luzes vermelhas se apagaram para decretar a largada. Mika Hakkinen (McLaren), o pole, manteve a liderança, seguido por David Coulthard (McLaren) e Jacques Villeneuve (Williams). Os três fizeram a curva 1 sem maiores problemas. O problema viria a seguir…

Ralf Schumacher (Jordan) protagonizou confusão generalizada na largada

Ralf Schumacher (Jordan) protagonizou confusão generalizada na largada

Giancarlo Fisichella (Jordan) e Michael Schumacher (Ferrari) foram abalroados por Ralf Schumacher (Jordan) e causaram uma grande confusão logo na primeira curva. Os três abandonariam a prova por conta do choque. Os pilotos da Arrows se aproveitaram da bagunça e ascenderam na classificação: Hill completou a primeira volta em sétimo, seguido por Diniz. A partir dali, Walkinshaw tomou conhecimento de que poderia ver seus pupilos na zona de pontos.

Hill e Diniz vinham num bom ritmo e mantiveram-se nas posições até a volta 17, quando Gerhard Berger (Benneton), em corrida de recuperação, passou o brasileiro. Mas Pedro Paulo não se abateu. Como os pneu Bridgestone eram mais duráveis que os Goodyear, a ideia era fazer apenas uma parada nos boxes. A Arrows segurou seus pilotos o quanto pôde na pista. Damon fez seu pit na volta 36, quando era o sexto. Diniz, por sua vez, na 39, quando ocupava também a sexta posição.

Pneus Bridgestone foram fundamentais para a boa prova de Diniz

Pneus Bridgestone foram fundamentais para a boa prova de Diniz

A partir dali, uma sequência de abandonos se deu em Nurburgring. A começar por Coulthard, na volta 42. Na passagem seguinte, foi a vez do líder Hakkinen quebrar. Em duas voltas, a McLaren perdeu uma dobradinha quase certa. A liderança caiu no colo de Villeneuve. Rubens Barrichello (Stewart), numa performance sensacional, assumiria o segundo lugar, mas foi traído por seu equipamento. Dessa forma, Jean Alesi (Benetton) foi para segundo, seguido por Heinz-Harald Frentzen (Williams) e Berger. Atrás das duplas da Williams e da Benneton, quem apareceria? Pedro Paulo Diniz.

O brasileiro da Arrows sobreviveu aos abandonos e contou com um problema no pit stop de Hill para assegurar o quinto lugar. Mas não foi algo fácil. Pedro Paulo suou por voltas para segurar os avanços de Olivier Panis (Prost), Johnny Herbert (Sauber) e Hill. Com competência, Diniz não deu chance aos rivais. Para se ter uma ideia, a diferença entre ele, quinto, para Damon, o oitavo, na linha de chegada, foi de meros 1s6. Ou seja: quatro carros separados por menos de 2 segundos. Um feito enorme do paulistano, somente igualado no GP da Bélgica de 1998. Dois pontos que dinheiro nenhum paga.

A quinta posição em Nurburgring-1997 foi o ápice de Diniz na Fórmula 1

A quinta posição em Nurburgring-1997 foi o ápice de Diniz na Fórmula 1

 

Anúncios

Sobre contosdaf1

Desde 1981, um amante de automobilismo. E veio desde o registro, quando no cartório seu pai foi questionado se queria colocar o nome "Willians" no garoto. "Esse é o nome de uma escuderia. Pode dar problema para ele no futuro", disse a escrivã. Hoje em dia, a equipe Williams voltou a se destacar, enquanto o menino segue o destino. Jornalista, nascido em Santos, cobriu os GPs do Brasil de 2005 a 2009 em Interlagos pelo jornal A Tribuna. Acompanha a Fórmula 1 religiosamente desde 1986. Pretende fazer isso até seus últimos dias. Afinal, o faz desde o primeiro.
Esta entrada foi publicada em Arrows, Damon Hill, Forti Corse, Johnny Herbert, Ligier, Luxemburgo, Nurburgring, Olivier Panis, Pedro Paulo Diniz, Sauber. ligação permanente.

Uma resposta a Luxemburgo-1997: a epopeia de Pedro Paulo Diniz

  1. Uma das minhas corridas preferidas!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s