Cingapura-2012: um “quase pódio” para Di Resta

Di Resta voa sobre zebra no circuito de Marina Bay: um saboroso 4º lugar

Di Resta voa sobre zebra no circuito de Marina Bay: um saboroso 4º lugar

O melhor resultado da carreira de Paul di Resta até domingo havia sido um sexto lugar. Ele foi conquistado em 2011 no GP de Cingapura. Um ano se passou, e o escocês da Force India obteve mais uma vez um grande êxito no circuito de rua de Marina Bay: agora, chegou a um espetacular quarto lugar, que por pouco não se tornou pódio. Foi a melhor corrida da vida dele até aqui. O bom desempenho de Di Resta preocupou Fernando Alonso (Ferrari), atual líder do Mundial. Todavia, o espanhol segurou o ímpeto do jovem britânico e assegurou o terceiro lugar. A vitória ficou com Sebastian Vettel (Red Bull), seguido por Jenson Button (McLaren).

Apesar de não ter alcançado um lugar no top 3, Paul não saiu decepcionado de Cingapura. Muito pelo contrário: a performance consistente foi celebrada pelo piloto e por todos os membros da Force India. “O quarto lugar é um ótimo resultado para a equipe e meu melhor dia na Fórmula 1 até agora. Nos classificamos bem, corremos forte e tiramos vantagem de alguns abandonos, mas, no trecho final, certamente mostramos um ótimo ritmo”, avaliou o escocês.

Sexto lugar no grid de Cingapura foi fundamental para o bom resultado de Paul

Sexto lugar no grid de Cingapura foi fundamental para o bom resultado de Paul

Consciente, Di Resta destacou a classificação do sábado como fator preponderante para o sucesso do último domingo. Nos treinos classificatórios, o piloto da Force India avançou para o Q3, algo que seu companheiro de equipe, Nico Hulkenberg, não conseguiu – alemão ficou em 11º. Na tomada que decidiria a classificação dos 10 primeiros do grid, o escocês contou com a não-participação da dupla da Mercedes – Michael Schumacher e Nico Rosberg não participaram do treino final – e com muita destreza para superar Romain Grosjean (Lotus) e Mark Webber (Red Bull) e ficar com o sexto tempo.

Foi uma sessão espetacular de Paul: com 1m47s241, ficou a apenas 0s025 de Alonso e a 0s879 de Lewis Hamilton (McLaren), o pole em Cingapura. Logo, um bom resultado era esperado por todos na Force India. Na largada, Di Resta se manteve na sexta posição. À sua frente, Hamilton, Vettel, Button, Pastor Maldonado (Williams) e Alonso. As posições não se alteraram após a primeira parada programada das escuderias. Todos fizeram seus pit stops entre as voltas 10 e 18.

Com o safety car na pista, o escocês da Force India fez seu pit stop derradeiro

Com o safety car na pista, o escocês da Force India fez seu pit stop derradeiro

Uma corrida monótona? Tudo levava a crer que sim. Ao menos até a volta 23, quando Hamilton viu a quebra do câmbio de seu McLaren e foi obrigado a abandonar a prova. Sem Lewis, a liderança passou para Vettel. Di Resta subiu para o quinto posto. Na volta 30, com a segunda parada de Maldonado e Alonso, o escocês da Force India iria para a terceira posição. E ali se manteria até a volta 33, quando o acidente provocado pelo indiano Narain Karthikeyan (Hispania) provocou a entrada do safety car.

“Não acho que o safety car teve qualquer impacto na minha prova”, frisou Paul após a prova. Com a bandeira amarela, a Force India o chamou para os boxes. Na volta à pista, tinha perdido a terceira posição para Alonso. Em contrapartida, Maldonado, com problemas hidráulicos na Williams, também abandonou em Marina Bay, o que consolidava a quarta colocação para Di Resta. A relargada foi dada na volta 39, mas um novo acidente fez o carro de segurança retornar à pista: Schumacher simplesmente atropelou Jean-Eric Vergne (Toro Rosso). A espetacular batida tirou os dois da prova.

Após pressionar Alonso, Di Resta teve que se contentar com o quarto lugar

Após pressionar Alonso, Di Resta teve que se contentar com o quarto lugar

A nova relargada aconteceu na volta 43. Di Resta partiu para cima de Alonso na busca pelo inédito terceiro lugar. “Estava próximo de Fernando no final, mas faltou um pouco de ritmo para lutar com ele pelo pódio”, afirmou o piloto da Force India, que só desistiu do top 3 no fim do GP, encerrado pelo limite das 2 horas de tempo. “Este resultado é o que precisávamos e quero agradecer demais ao pessoal na garagem, que se esforçou ao máximo, como sempre”, concluiu.

Advertisements

Sobre contosdaf1

Desde 1981, um amante de automobilismo. E veio desde o registro, quando no cartório seu pai foi questionado se queria colocar o nome "Willians" no garoto. "Esse é o nome de uma escuderia. Pode dar problema para ele no futuro", disse a escrivã. Hoje em dia, a equipe Williams voltou a se destacar, enquanto o menino segue o destino. Jornalista, nascido em Santos, cobriu os GPs do Brasil de 2005 a 2009 em Interlagos pelo jornal A Tribuna. Acompanha a Fórmula 1 religiosamente desde 1986. Pretende fazer isso até seus últimos dias. Afinal, o faz desde o primeiro.
Esta entrada foi publicada em Cingapura, Force India, Hispania, Jean-Eric Vergne, Marina Bay, Narain Karthikeyan, Nico Hulkenberg, Pastor Maldonado, Paul di Resta, Toro Rosso, Williams. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s