Itália-2012: estratégia põe ‘Speedy’ Pérez no pódio em Monza

O mexicano da Sauber deu um show à parte no GP da Itália de 2012

O mexicano da Sauber deu um show à parte e foi segundo no GP da Itália de 2012

Para os grandes pilotos, nem sempre o talento basta. Para diferenciar um ás do volante de um cidadão comum, é necessário mesclar velocidade, competência e sorte. Às vezes, só ser rápido e regular não adianta. Sergio Pérez parece ser um desses predestinados. O mexicano mostrou ter estrela no último domingo. Justamente no templo sagrado de Monza. No GP da Itália, o latino da Sauber fez o que parecia impossível: levou o carro do time suíço ao pódio depois de um discreto 12º lugar nos treinos classificatórios do sábado.

Em nenhum momento do fim de semana, Pérez parecia candidato ao top 3. Apostar no mexicano era como jogar dinheiro fora. Ficar em segundo lugar, sendo superado apenas pelo inglês Lewis Hamilton (McLaren), foi digno de aplausos. “Foi uma grande corrida para mim e para o time. É inacreditável conseguir um pódio para o time em Monza. Muito especial. Usei os pneus duros no começo e decidi parar tarde. Isso me deu bons e frescos pneus para o fim da prova. É inacreditável”, celebrou o piloto da Sauber.

Checo foi mal nos treinos, largando em 12º: grid foi determinante no pódio

Checo foi mal nos treinos, largando em 12º: grid foi determinante no pódio

Diferentemente do GP da Malásia – em que flertou com a vitória e ficou em segundo – e do GP do Canadá – quando viu o terceiro posto apenas no final -, Sergio contou com uma perfeita estratégia de pneus. Seria ela, aliada à pilotagem precisa de Checo, a fórmula ideal para o pódio. A tática de largar com pneus duros e usar pneus macios na fase final do GP da Itália só foi possível devido à classificação. Pérez não foi bem no sábado. Ele parou no Q2, sendo superado pelo seu companheiro de Sauber, o japonês Kamui Kobayashi, que alinhou em oitavo lugar.

Por largar fora do top 10, Sergio pôde escolher quais pneus usaria na largada – quem sai entre os 10 primeiros larga com os pneus da classificação. Assim, Pérez optou pelos compostos mais duros, fazendo com que seu trem de prova fosse mais longo que o dos adversários. O mexicano pararia apenas uma vez nos boxes, e teria uma fase final encurtada com pneus macios, possibilitando um ataque feroz sobre quem estava na frente.

Graças à estratégia, Pérez chegou a liderar o GP da Itália por cinco voltas

Graças à estratégia, Pérez chegou a liderar o GP da Itália por cinco voltas

A estratégia surtiu efeito desde a largada. Checo se manteve em 12º após a primeira volta – passou Mark Webber (Red Bull), mas foi superado por Bruno Senna (Williams). Na volta 2, ultrapassou Nico Rosberg (Mercedes). Na 3, deu o troco no brasileiro da Williams, assumindo o 10 º lugar. Pérez, então, partiu para cima de Paul di Resta (Force India), superando o escocês na volta 5. Na passagem seguinte, a vítima foi Kobayashi. Na volta 7, Sergio era o oitavo.

A partir dali, a tática falou mais alto. Um a um, os rivais foram parando nos boxes. Michael Schumacher (Mercedes), Kimi Raikkonen (Lotus), Felipe Massa e Fernando Alonso (Ferrari), Sebastian Vettel (Red Bull), e Jenson Button e Lewis Hamilton (McLaren). Na volta 24, o mexicano da Sauber assumiu a ponta em Monza. Foram cinco voltas na primeira posição. Na volta 29, Hamilton, com pneus novos, partiu para cima de Checo, ultrapassando-o. Ao ser superado pelo britânico, Sergio não pensou duas vezes e foi aos boxes. No retorno à pista, um show particular teve início.

Hamilton cumprimenta Pérez no pódio: inglês teve que passar Checo na volta 29

Hamilton cumprimenta Pérez no pódio: inglês teve que passar Checo na volta 29

Na volta 30, Pérez era o oitavo. Porém, estava com pneus macios – os sete adversários à sua frente estavam com compostos duros. Foi a chave do sucesso. Com o abandono de Button na volta 33, subiu para sétimo. Duas voltas depois, Vettel foi pagar um drive-through após impedir Alonso de ultrapassá-lo por fora na Curva Grande, levando Sergio para o sexto lugar. Na volta 37, ignorou Raikkonen e Schumacher, alcançando o quarto lugar.

A ascensão de Pérez não parou por aí. A próxima vítima seriam os ferraristas. Em pleno circuito de Monza, Checo ignorou Massa, superando o brasileiro na volta 43, e não tomou conhecimento de Alonso, assumindo o segundo lugar na volta 46. O mexicano tentou partir para cima de Hamilton, mas a vantagem do inglês da McLaren era confortável. Sergio completou o GP da Itália a 4s3 de Lewis. A vitória não veio, mas sua carreira na Fórmula 1 vai se consolidando prova após prova.

Entrevista de Sergio Pérez após o segundo lugar no GP da Itália de 2012

Sauber celebra o terceiro pódio do time na temporada - os três com Pérez

Sauber celebra o terceiro pódio do time na temporada – os três com Pérez

Advertisements

Sobre contosdaf1

Desde 1981, um amante de automobilismo. E veio desde o registro, quando no cartório seu pai foi questionado se queria colocar o nome "Willians" no garoto. "Esse é o nome de uma escuderia. Pode dar problema para ele no futuro", disse a escrivã. Hoje em dia, a equipe Williams voltou a se destacar, enquanto o menino segue o destino. Jornalista, nascido em Santos, cobriu os GPs do Brasil de 2005 a 2009 em Interlagos pelo jornal A Tribuna. Acompanha a Fórmula 1 religiosamente desde 1986. Pretende fazer isso até seus últimos dias. Afinal, o faz desde o primeiro.
Esta entrada foi publicada em Force India, Itália, Kamui Kobayashi, Monza, Paul di Resta, Sauber, Sergio Pérez, Williams. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s