França-1954: Príncipe Bira desafia Juan Manuel Fangio e cia.

Príncipe do Sião (atual Tailândia), Bira foi quarto lugar no GP da França

Príncipe do Sião (atual Tailândia), Bira foi quarto lugar no GP da França de 1954

Birabongse Bhanudej Bhanubandh era um nome complicado demais para um piloto. Para não haver problemas com sua identificação na Europa, esse homem do Sião (atual Tailândia) preferiu simplificar: ficou reconhecido internacionalmente como Bira. Contudo, não era um Bira qualquer: ele era príncipe de seu reino. Nascido em 15 de julho de 1914, em Bangcoc, o monarca embarcou para a Inglaterra em meados da década de 1920 junto com outros dois irmãos. O objetivo: estudar para administrar o país. Em Londres, porém, o príncipe foi arrebatado pelo automobilismo. Uma paixão sem igual. O príncipe siamês, então, passou a se dedicar às corridas de Grand Prix (provas automobilísticas que antecederam a Fórmula 1, criada em 1950).

Príncipe Bira se tornou um piloto de destaque no automobilismo europeu. Obteve algumas vitórias e muitos pódios em corridas na década de 1930 e 1940. Com a criação da Fórmula 1, o tailandês tratou de desafiar os grandes pilotos da época. Os resultados se minguaram. Raros foram os momentos de glória. O de maior destaque veio em 4 de julho de 1954, em Reims, na França. A bordo de um Maserati, o Príncipe se viu contra os fabulosos Mercedes W196. Era a estreia da escuderia alemã na Fórmula 1. Contando com o mítico Juan Manuel Fangio e o alemão Karl Kling, as “flechas de prata” figuraram com os melhores tempos da classificação. Bira, por sua vez, obteve o ótimo sexto lugar na tomada de tempo.

Largada em Reims-1954: Bira está com o número 46, logo atrás dos dois Mercedes

Largada em Reims-1954: Bira está com o número 46, logo atrás dos dois Mercedes

Na largada do GP da França, Bira caiu para o oitavo lugar. Na frente, Kling surgiu na ponta, seguido por Alberto Ascari (Maserati) e Fangio. Com o abandono por problemas de motor de Ascari, bicampeão em 1952 e 1953, e com a ultrapassagem sobre o argentino Roberto Mieres (Maserati), o tailandês retomou a sexta posição. Porém, na passagem seguinte, o terceiro carro da Mercedes daria o ar de sua graça com o alemão Hans Herrmann, e a flecha de prata deixou Bira com o sétimo lugar.

A ascensão do príncipe siamês começaria na volta 10, graças ao abandono do inglês Mike Hawthorn (Ferrari). Na sexta posição, Bira passou a duelar ferozmente com o francês Maurice Trintignant (Ferrari). A cada volta, o tailandês da Maserati e o francês da Rossa trocavam de posições. A briga se encerrou na volta 20, quando Bira se impôs diante Maurice. Na mesma passagem, o argentino Onofre Marimón enfrentou problemas de câmbio em seu Maserati e caiu para último. Antes, José Froilan González (Ferrari) e Herrmann já haviam deixado a disputa. Em suma: o Príncipe era terceiro, atrás somente de Fangio, o líder, e Kling, o segundo.

O tailandês acelera seu Maserati em Reims: chuva custou o pódio

O tailandês acelera seu Maserati em Reims: chuva custou o pódio

A disputa acirrada pela liderança da prova em Reims fez com que muitos pensassem num choque entre o argentino e o alemão da Mercedes. Era a teoria do improvável, que culminaria na vitória de Bira. A chuva aumentou o grau de dificuldade da corrida, e também deixou o tailandês da Maserati em maus bocados. O ritmo do príncipe caiu, enquanto as flechas de prata dispararam. Na volta 39, o francês Robert Manzon (Ferrari) ultrapassou o tailandês.

Com o passar do tempo – e da chuva -, a pista de Reims foi secando. E o bom desempenho de Bira foi reaparecendo. Tanto que, na penúltima volta, o tailandês superou o francês da Ferrari. O pódio estava em suas mãos. Todavia, na 60ª e última volta, Manzon bateu o príncipe e obteve o terceiro lugar. Lá na frente, Fangio levou o GP da França por somente 0s1 de vantagem sobre Kling. Foi a primeira vitória da Mercedes na história (com o argentino) e o primeiro pódio de um alemão na categoria (com Kling).

O quarto lugar na França foi o melhor resultado da carreira de Bira na Fórmula 1

O quarto lugar na França igualou o melhor resultado da carreira de Bira na F1

O domínio das flechas de prata e o pódio perdido na última volta reduziram o feito de Bira: o quarto lugar foi seu melhor resultado na Fórmula 1 (igualando o top 4 do GP da Suíça de 1950, em Bremgarten). Era também o ápice de um tailandês na categoria – também pudera, ele foi o único do país asiático a alinhar no grid. O príncipe siamês deixou a Fórmula 1 em 1955 e passou a se dedicar aos seus negócios e à prática de vela – participou de quatro Olimpíadas (Melbourne-1956, Roma-1960, Tóquio-1964 e Munique-1972). Bira morreu em 1985, em Londres, após um infarto fulminante. Mas sua passagem pelas pistas deixa marcas até hoje.

Advertisements

Sobre contosdaf1

Desde 1981, um amante de automobilismo. E veio desde o registro, quando no cartório seu pai foi questionado se queria colocar o nome "Willians" no garoto. "Esse é o nome de uma escuderia. Pode dar problema para ele no futuro", disse a escrivã. Hoje em dia, a equipe Williams voltou a se destacar, enquanto o menino segue o destino. Jornalista, nascido em Santos, cobriu os GPs do Brasil de 2005 a 2009 em Interlagos pelo jornal A Tribuna. Acompanha a Fórmula 1 religiosamente desde 1986. Pretende fazer isso até seus últimos dias. Afinal, o faz desde o primeiro.
Esta entrada foi publicada em França, Hans Herrmann, Karl Kling, Maserati, Maurice Trintignant, Onofre Marimón, Prince Bira, Reims, Robert Manzon, Roberto Mieres. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s