Contos da Fórmula 1. Porque contar é preciso

Pilotos como Campos serão o foco do "Contos da Fórmula1"

Fórmula 1 é um assunto mais do que natural para mim. Desde sempre adoro o tema. Mas queria escrever mais sobre. Não mais do mesmo, descrever corridas, como 99,9% dos blogs existentes internet afora. ‘Mas escrever sobre o que, cara pálida’, pergunta o nobre leitor?

A resposta: escrever sobre um lado não tão romântico. Mostrar todos aqueles que não sentiram o sabor da glória no automobilismo.  Os campeões são história naturalmente; os patinhos feios, só por algum feito surreal ou bizarro.

Teremos GPs históricos? Sim senhor. Mas não conte com os heróis de sempre. Fittipaldi, Piquet e Senna com destaque, aqui, só se for Christian, Nelsinho e Bruno. Os supercampeões já têm seu espaço; aqui, o palco será dos excluídos.

A ideia é essa, o foco é esse. Não será como o célebre F1 Rejects, cuja descrição do lado B é apaixonante, mas sim um exercício literário em torno da existência desses bravos das pistas. Eles merecem. A escolha será aleatória, por meio da data do ano coincidir com um GP qualquer. Temos GPs desde 13 de maio de 1950 e centenas de provas – logo, um leque imenso de pilotos e histórias.

Ah sim: a temporada atual será assunto. Mas não aguarde “Vettel vence”, “Hamilton domina” ou “Alonso passeia”. Eles serão citados sim, mas a área é feita para quem vem lá de trás.

Bem, é isso. Aguardo sugestões e críticas. Toda ajuda é bem-vinda.

Muito prazer, esse é o “Contos da Fórmula 1”.

Advertisements

Sobre contosdaf1

Desde 1981, um amante de automobilismo. E veio desde o registro, quando no cartório seu pai foi questionado se queria colocar o nome "Willians" no garoto. "Esse é o nome de uma escuderia. Pode dar problema para ele no futuro", disse a escrivã. Hoje em dia, a equipe Williams voltou a se destacar, enquanto o menino segue o destino. Jornalista, nascido em Santos, cobriu os GPs do Brasil de 2005 a 2009 em Interlagos pelo jornal A Tribuna. Acompanha a Fórmula 1 religiosamente desde 1986. Pretende fazer isso até seus últimos dias. Afinal, o faz desde o primeiro.
Esta entrada foi publicada em Contos da Fórmula 1, Uncategorized. ligação permanente.

7 respostas a Contos da Fórmula 1. Porque contar é preciso

  1. Valéria Vendramini diz:

    Adorei a proposta. Grande escolha. Será um sucesso.

  2. Fábio Américo diz:

    Sugiro um tópico – Por onde anda (corre) tal piloto ? Lembrei do Teo Fabi com o Benetton multicolorido.
    Abraços

  3. Gustavo diz:

    Já tá na minha lista de leitura. Abs!

  4. Fábio Américo diz:

    Parabéns pelos textos e pelos contos. Estão ótimos.

  5. Parabéns pelo blog. Achei por acaso no google. Já está entre meus favoritos.

    abs

  6. contosdaf1 diz:

    Obrigado, Mantovani! Acompanho seu trabalho também. Parabéns! E aqui faço o que faço por puro e simples prazer. Era uma ideia que estava adiando por tempos. Aos poucos, tem se tornado um espaço bem visitado. Grande abraço!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s